Arquivo da categoria: Enem Química

Átomos: Semelhanças atômicas, distribuição eletrônica e modelos atômicos

Padrão

Átomos: Semelhanças atômicas, distribuição eletrônica e modelos atômicos.

Semelhanças atômicas:

Se analisarmos o número atômico (Z), o número de nêutrons (N) e o número de massa (A) de átomos diferentes, será possível identificar e formar conjuntos de átomos com algumas similaridades. Esta propriedade dos átomos recebe o nome de semelhança atômica.


Isótopos: átomos pertencentes a um mesmo elemento químico, portanto possuem números atômicos iguais. Os isótopos se diferenciam com relação ao número de massa.

Isóbaros: esses átomos possuem o mesmo número de massa (A), mas se diferem na numeração atômica (Z), os elementos Cálcio (Ca) e Argônio (Ar) são isóbaros.

Isótonos: átomos com número de nêutrons (n) iguais que se diferem pelo número atômico (Z) e de massa (A). Magnésio (Mg) e Silício (Si) são exemplos de Isótonos.

Isoeletrônicos

Átomos neutros apresentam o mesmo número de prótons e elétrons, porém, esses átomos podem ganhar ou perder elétrons, passando a formar íons. Os átomos e íons que apresentam o mesmo número de elétrons são denominados isoeletrônicos. Leia o resto deste post

Átomos e sua estrutura

Padrão

Átomos e sua estrutura

Dica: Estou atualizando o Conteúdo Programático completo do ENEM e além disso, para você que não esta encontrando todo o conteúdo do Enem ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada nesta apostilas para ENEM do site Apostilas Opção é bem interessante.

Bons estudos!

ESTRUTURA DO ÁTOMO

Esta matéria foi retirada do site Brasil escola e desenvolvida por Jennifer Fogaça.

Ao final da postagem tem um vídeo dando uma explicação resumida.

A estrutura do átomo é formada pelo núcleo, que é constituído por duas partículas (prótons e nêutrons), e pela eletrosfera, que detém os elétrons.

Os átomos são partículas infinitamente pequenas que constituem toda matéria no universo. Ao longo do tempo, a ideia de como seria a estrutura atômica foi mudando de acordo com as novas descobertas feitas pelos cientistas. Você poderá saber mais sobre isso no texto Evolução do Modelo Atômico.

Um modelo é uma representação da realidade (não a própria realidade), assim, os modelos atômicos são representações dos principais componentes do átomo e de sua estrutura e explicam determinados comportamentos físicos e químicos da matéria. Isso é feito porque ainda não é possível ao ser humano enxergar um átomo isolado nem mesmo com ultramicroscópios.

Para se ter uma ideia do quanto o átomo é pequeno, saiba que a menor partícula visível em um microscópio comum contém mais de dez bilhões de átomos! O átomo é tão pequeno que, se colocássemos um milhão deles lado a lado, não atingiríamos a espessura de um fio de cabelo.

Entre os modelos atômicos, o mais usado atualmente no Ensino Médio para o entendimento da estrutura do átomo e suas propriedades é o de Rutherford-Bohr. Segundo esse modelo, a estrutura do átomo é constituída de duas partes principais: o núcleo e a eletrosfera.

Duas partes principais da estrutura de um átomo – eletrosfera e núcleo
Duas partes principais da estrutura de um átomo – eletrosfera e núcleo

* Núcleo: Constituindo-se como a parte central do átomo, ele é compacto, maciço e muito denso, além de ser formado pelas partículas de maior massa, que são os prótons e os nêutrons.

Quer ver a postagem completa e assistir uma videoaula então CLIQUE AQUI!!

Links sugeridosNatureza elétrica da matéria: Modelo Atômico de Thomson, Rutherford, Rutherford-Bohr.

Química: conceitos fundamentais de matéria, corpo, objeto, energia e temperatura

Padrão
MAPA DA POSTAGEM:


Esta postagem foi desenvolvida da seguinte forma: Primeiro coloquei  a parte teórica e ao final da postagem coloquei dois vídeos interessante que vale a pena conferir.

Recomendo alguma postagem que você pode se interessar:

Como se preparar para a prova do Enem

Como estudar para concurso público

português completo

conteúdo do concurso do TRE-SP 2016

Conteúdo do IFES.

Gostaria de lembrar também que tenho um livro de aventura que publiquei a versão final em e-book no Amazon, A fortaleza do Centro, dá uma olhadinha nele é muito legal.

Bons estudos!


Química: conceitos fundamentais de matéria, corpo, objeto, energia e temperatura.

A matéria

pedra

Denomina-se matéria tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no espaço e, desse modo, possui volume. Podemos citar como exemplos de matéria a madeira, o ferro, a água, o ar e tudo o mais que imaginemos dentro da definição acima. A ausência total de matéria é o vác...CONTINUE LENDO….

 

Natureza elétrica da matéria: Modelo Atômico de Thomson, Rutherford, Rutherford-Bohr

Padrão

nova-centralA constituição da matéria é motivo de muita curiosidade entre os povos antigos. Filósofos buscam há tempos a constituição dos materiais. Resultado dessa curiosidade implicou na descoberta do fogo, o que o permitiu cozinhar os alimentos, e consequentemente implicou em grande desenvolvimento para a sociedade. A partir dessa descoberta pôde-se verificar, ainda, que o minério de cobre (conhecido na época com pedras azuis), quando submetido ao aquecimento, produzia cobre metálico, ou aquecido na presença de estanho, formava o bronze.

A passagem do homem pelas “idades” da pedra, do bronze e do ferro, foi, portanto, de muito aprendizado para o homem, conseg….

..CONTINUE LENDO…..

novo-banner-kalena

Modelo atômico de Dalton

Padrão

Natureza elétrica da matéria: Modelo Atômico de Dalton, Thomson, Rutherford, Rutherford-Bohr.

A constituição da matéria é motivo de muita curiosidade entre os povos antigos. Filósofos buscam há tempos a constituição dos materiais. Resultado dessa curiosidade implicou na descoberta do fogo, o que o permitiu cozinhar os alimentos, e consequentemente implicou em grande desenvolvimento para a sociedade. A partir dessa descoberta pôde-se verificar, ainda, que o minério de cobre (conhecido na época com pedras azuis), quando submetido ao aquecimento, produzia cobre metálico, ou aquecido na presença de estanho, formava o bronze.

A passagem do homem pelas “idades” da pedra, do bronze e do ferro, foi, portanto, de muito aprendizado para o homem, conseguindo produzir materiais que lhe fosse útil.

Por volta de 400 a.C., surgiram os primeiros conceitos teóricos da Química.

Os filósofos gregos Demócrito e Leucipo afirmavam que a matéria não era contínua, e sim constituída por minúsculas partículas indivisíveis, às quais deram o nome de átomos. Platão e Aristóteles, filósofos muito influentes na época, recusaram tal proposta e defendiam a ideia de matéria contínua.

Esse conceito de Aristóteles permaneceu até a Renascença, quando por volta de 1650 d.C. o conceito de átomo foi novamente proposto por Pierre Cassendi, filósofo francês.

O conceito de “Teoria atômica” veio a surgir após a primeira ideia científica de átomo, proposta por John Dalton após observações experimentais sobre gases e reações químicas.

Os modelos atômicos são, portanto, teorias fundamentadas na experimentação. Tratam-se, portanto, de explicações para mostrar o porquê de um determinado fenômeno. Diversos cientistas desenvolveram suas teorias até que se chegou ao modelo atual.

1. Modelo Atômico de Dalton

Em 1808, o professor inglês John Dalton propôs uma explicação da natureza da matéria. A proposta foi baseada em fatos experimentais. Os principais postulados da teoria de Dalton são:

……….CONTINUE LENDO

Modelo corpuscular da matéria

Padrão

Coloquei duas postagens que apesar de falarem a mesma coisa, abordam diferentemente o assunto.

As postagens foram retiradas dos sites O Blog da físico-química e Aulas de física e química

 

1ª Postagem:

Teoria corpuscular da matéria

Tudo o que nos rodeia é feito de matéria.

Por exemplo, o ar que respiramos, a água do mar, dos rios e dos lagos, os minerais que constituem as rochas, os planetas, as estrelas e todos os outros corpos celestes são feitos de matéria.

Como é constituída a matéria?

matéria tem uma determinada estrutura da qual dependem as suas propriedades. É constituída por pequeníssimos corpúsculos invisíveis e em contínuo movimento.

É a existência destes corpúsculos que explica muitos dos fenómenos que ocorrem na nossa vida.

Contudo, não conseguimos observar, directamente, os corpúsculos constituintes da matéria.

Há, no entanto, evidências que comprovam a teoria corpuscular da matéria.

Foram os filósofos gregos, há cerca de 2500 anos, que tentaram explicar as propriedades e o comportamento da matéria.

Segundo o filósofo Demócito, que viveu entre 460 e 370 a.C., todas as transformções que ocorrem na Natureza explicam-se a partir da existência de pequeníssimos corpúsculos indivisíveis. Estes corpúsculos movem-se continuamente. Demócrito chamou a esse corpúsculos “atomus”, que siginifica não divisível.

Assim, a palavra átomo provém da palavra grega “atomus”.

A teoria corpuscular da matéria foi abandonada durante séculos, porque não era possível comprovar a existência de corpúsculos nem explicar por que razão se mantinham unidos. Ressurgiu graças aos trabalhos experimentais do químico inglês John Dalton. Este cientista propôs um modelo para a constituição da matéria, apoiando-se na teoria atomística dos Gregos. Actualmente, a comunidade científica aceita que os corpúsculos constituintes da matéria são os átomos. A utilização de técnicas especiais permitiu já observar imagens de átomos.

Os átomos são corpúsculos incrivelmente pequenos.

Até é difícil de imaginar… Os átomos não são, contudo, as partículas mais pequenas que existem… Têm no seu interior outras partículas ainda mais pequenas.

2ª postagem

Natureza Corpuscular da Matéria

Se colocarmos um cabelo ao microscópio e aumentarmos sucessivamente a ampliação, obtemos uma sequência de imagens semelhante à apresentada em seguida:

Como se pode concluir, quanto mais ampliarmos mais pormenorizada é a imagem.

O que veríamos se fossemos capazes de ampliar este cabelo milhões de vezes?

Na imagem seguinte encontra-se uma ampliação de 25.000.000 de vezes de um cristal de ouro. A imagem é tão pormenorizada que se conseguem identificar as partículas ou corpúsculos que constituem o ouro:

Cristal de ouro ao microscópio com uma ampliação x25.000.000.

Toda a matéria, desde um simples cabelo até um cristal de ouro é constituida por partículas (ou corpúsculos) com tamanho muito muito pequeno, tão pequeno que …

… um ponto final feito com a tinta da tua caneta pode conter mais de 3 milhões de corpúsculos.

… 100 milhões de pessoas reduzidas ao tamanho de um corpúsculo formavam uma fila de apenas 1 centímetro.

Conclui-se por isso que toda a matéria é constituida por partículas – corpúsculos.

Como se comportam os Corpúsculos?

O ar contido no interior de uma seringa é facilmente comprimido quando se empurra o êmbolo:

Como se explica este facto?

Entre os corpúsculos há muitos espaços vazios.
Ao apertar o êmbolo estes aproximam-se uns dos outros.
Imagem do livro “FQ8 – Sustentabilidade na Terra – Edições ASA”.

Conclui-se por isso que entre os corpúsculos há muitos espaços vazios.

Para além da existência de espaços vazios, há outra característica dos corpúsculos que deves saber. Por exemplo, quando utilizas velas perfumadas, o aroma espalha-se pela casa muito rapidamente. Por que motivo isto acontece?

Os corpúsculos que se libertam ao queimar a vela movem-se entre os espaços vazios.

Conclui-se por isso que os corpúsculos estão em constante movimento.

Conclusão

Tudo o que foi dito anteriormente pode ser resumido em três pontos:

1.º – Toda a matéria é constituída por partícula – corpúsculos.

2.º – Entre os corpúsculos há muitos espaços vazios.

3.º – Os corpúsculos estão em constante movimento.

 

Leia o resto deste post

Misturas gasosas

Padrão

Este post foi desenvolvido da seguinte forma:

duas postagens retiradas dos sites Brasil escola e Mundo Educação. Apesar de serem parecidas vale para reforçar a matéria.

e finalizando algumas vídeos aulas.

Misturas Gasosas

As misturas gasosas são muito comuns no cotidiano. É possível descobrir sua pressão e volume total através das pressões e volumes parciais dos gases componentes da mistura.

A pressão total e o volume total de uma mistura gasosa são dados pelas pressões e volumes parciais dos gases que compõem a mistura

A pressão total e o volume total de uma mistura gasosa são dados pelas pressões e volumes parciais dos gases que compõem a mistura

Visto que são tão presentes em nosso cotidiano, é necessário analisar duas grandezas importantes quando se trata de misturas gasosas, que são:pressão parcial evolume parcial. A seguir, ambos serão explicados:

1.      Pressão parcial dos gases:

A pressão parcial de um gás é a pressão que ele exerceria se estivesse sozinho, nas mesmas condições de temperatura e volume da mistura. 

Segundo Dalton, a soma das pressões parciais dos gases que formam a mistura resulta na pressão total (p) da mistura. Por exemplo, se a pressão do ar for de 1,0 atm, a pressão parcial do N2será de 0,8 (80% da pressão total) e a pressão parcial de O2 será igual a 0,2 % (20% da pressão total da mistura).

Essa Lei de Dalton é mostrada também pela fração em quantidade de matéria (X). Essa fração no caso do nitrogênio é dada por 0,8 mol.
1,0 mol

pN2= p . XN2

pN2= 1,0 atm . 0,8 = 0,8 atm.

Pode-se também calcular cada pressão parcial por meio da equação de estado dos gases:

Equação de estado dos gases: PV = nRT

Determinação da pressão parcial do N2:PN2. V = nN. RT   

2.      Volume parcial dos gases:

Similarmente à pressão parcial, o volume parcial corresponde ao volume que um gás ocupa nas condições de temperatura e pressão da mistura.

A Lei de Amagat diz que a soma dos volumes parciais é igual ao volume total, assim como o caso da pressão visto anteriormente. Por isso, usamos a equação de estado dos gases, com a única diferença que agora se coloca o volume parcial do gás e não a pressão:

P. VN2= nN. RT

Também é possível calcular o volume parcial de cada gás componente da mistura por meio da fração em quantidade de matéria.
Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

 

2ª Matéria

Misturas de Gases

A pressão e o volume totais das misturas de gases são iguais às somas das pressões e dos volumes parciais dos gases que compõem a mistura.

Misturas de Gases

Praticamente todos os “gases” com os quais temos contato no cotidiano não são exatamente gases isolados, mas sim misturas de gases. Não conseguimos diferenciar muito bem porque toda mistura gasosa é homogênea, ou seja, apresenta uma única fase, um único aspecto em toda a sua extensão. O melhor exemplo é o ar que respiramos, que é composto basicamente por 78% do volume em massa de gás nitrogênio (N2), 21% de gás oxigênio (O2) e 1% de outros gases, principalmente o gás nobre argônio (Ar), que está presente em uma porcentagem de quase 1% .

Outros exemplos de misturas gasosas que encontramos no dia a dia são o gás de cozinha, que se trata, na verdade, de uma mistura dos gases propano (C3H8) e butano (C4H10); e os cilindros usados para respiração por alpinistas e mergulhadores, que são misturas gasosas de nitrogênio e oxigênio, como o ar, mas enriquecidos com oxigênio (a quantidade de oxigênio armazenada nos cilindros deve ser de 42% em volume).

Visto que estão tão presentes em nosso cotidiano, torna-se importante estudar o comportamento das misturas de gases. Dois aspectos são os mais importantes: a pressão e o volume que esses gases exercem nas misturas das quais participam. Essas grandezas são chamadas de pressão e volume parciais dos gases e correspondem à pressão ou ao volume que o gás exerce ou ocupa de forma individual dentro da mistura nas mesmas condições de temperatura e pressão que a mistura se encontra, e não corresponde à pressão ou ao volume que ele possuía antes de entrar para a mistura gasosa.

Além disso, o estudo dessas grandezas nas misturas gasosas apresenta somente o aspecto quantitativo, e não o qualitativo, ou seja, independe da natureza ou do tipo do gás, mas depende somente da quantidade de matéria (número de mols) dos gases. Isso significa que as relações que serão estudadas adiante e que serão mencionadas para um gás dentro da mistura são válidas também para todos os outros gases que participam da mesma mistura gasosa. É óbvio que, para tal, considera-se que os gases não reagem entre si.

Como depende da quantidade de matéria, podemos concluir o seguinte: Visto que a equação de estado dos gases ou equação de Clapeyron faz as seguintes relações entre as grandezas dos gases: P . V = n . R . T, para as misturas gasosas, teremos:

P . V = (n1 + n2 + n3 + …) . R . T

ou

P . V = Σn . R . T

lei de Dalton diz o seguinte sobre a pressão dos gases nas misturas:

A pressão total exercida por uma mistura gasosa é igual à soma das pressões parciais dos gases que compõem a mistura.”

Ptotal = P1 + P2 + P3 + P4… ou P = Σp

Isso significa que, por exemplo, se a pressão do ar for de 1,0 atm, a pressão parcial do N2 será de 0,78 (78% da pressão total), a pressão parcial de O2 será igual a 0,21 (21% da pressão total da mistura) e a pressão parcial do argônio será de 0,01% (1% da pressão total da mistura).

Essa Lei de Dalton é mostrada também pela fração em quantidade de matéria (X) que relaciona a quantidade de matéria em mol de cada gás com a quantidade de matéria total da mistura:

X= _nY__
nTOTAL

A fração em quantidade de matéria também é proporcional à relação entre a pressão parcial do gás e a pressão total da mistura gasosa, como mostrado mais acima:

XY =    PY    
PTOTAL

Com base na Equação de Clapeyron e na Lei de Dalton acima, o físico francês Émile Hilaire Amagat (1841-1915) criou a lei de Amagat, que diz o seguinte sobre o volume dos gases nas misturas:

O volume total de uma mistura gasosa é igual à soma dos volumes parciais dos gases que compõem a mistura.”

Vtotal = V+ V+ V+ … ou Vtotal = Σv

Podemos também determinar em porcentagem em volume, que é chamada de fração volumétrica:

X GásnGás Vgás % em volume de gás
             Σn     Vtotal                    100%

VÍDEOS AULAS:

Leia o resto deste post

Teoria cinética dos gases

Padrão

Teoria cinética dos gases

A postagem abaixo foi retirada do site: Mundo Educação

Um pouco da história da teoria dos gases

Após inúmeros estudos realizados, em meados de 1840, estudiosos concluíram que o calor é uma forma de energia e não uma substância, como se imaginava.

Entre os pesquisadores em destaque estão James Prescott Joule e Rudolf Clausius que, através de seus estudos, chegaram à conclusão de que o calor está relacionado à energia cinética dos átomos e às moléculas de uma substância.

Essa teoria apresentada não era aceita em razão de se tratarem de partículas microscópicas, ou seja, invisíveis a olho nu, o que barrava sua aceitação na comunidade científica.

As leis de Newton eram a base dos estudos da teoria cinética dos gases, o que acabou facilitando sua aceitação mais tarde. Ainda hoje é utilizada e considerada importante como modelo de desenvolvimento de teoria física, apesar de suas explicações serem inaceitáveis para a física moderna.

A teoria cinética dos gases são hipóteses que abordam o que é um gás e como ele se comporta.

Hipóteses da teoria dos gases……CONTINUE LENDO

 

 

Princípio de Avogadro, conceito de molécula; massa molar, volume molar dos gases

Padrão

nova-central

Princípio de Avogadro

Lei de Avogadro

Amedeo Avogadro propôs, em 1811, uma lei relacionada ao volume molar de gases.

Volumes iguais, de quaisquer gases, nas mesmas condições de pressão e temperatura, apresentam a mesma quantidade de substâncias em mol (moléculas). 

Não esqueça que agora a Central de Favoritos esta bem melhor e em novo endereço: centraldefavoritos.com.br, com atualizações todos os dias, AGORA FICOU MAIS FÁCIL DE PASSAR EM UM CONCURSO. CLIQUE E VEJA a NOVA CENTRAL DE FAVORITOS.

Volumes iguais de dois gases, nas mesmas condições de temperatura e pressão, possuem o mesmo número de mo...CONTINUE LENDO…

novo-banner-kalena

Interpretando transformações químicas

Padrão

Interpretando transformações químicas

Índice:

Primeira interpretação – Modelo atômico de Dalton

Novas ideias sobre a estrutura do átomo – modelos de Thomson e Rutherford-Bohr

Representação dos elementos químicos

PRIMEIRAS INTERPRETAÇÕES – MODELO ATÔMICO DE DALTON

No fim do século XVIII, muito conhecimento sobre as transformações químicas tinha sido adquirido, tais como: não se poder obter qualquer quantidade de produto a partir de uma certa quantidade de matéria-prima e, também, que as massas se conservavam numa transformação química.

John Dalton (1766-1844) foi um dos cientistas……..

.CONTINUE LENDO

novo-banner-kalena