Vendas: técnicas, planejamento, motivação para vendas, relações com clientes

Padrão

Esta postagem foi desenvolvida da seguinte forma:

1º Texto retirado de um blog para o concurso de 2008 da CEF

2º Texto retirado do site da editora Ferreira para o concurso da Caixa: Técnicas de vendas desenvolvida pelo profº Geraldo Coutinho Jr.

3º Apostila da Casa do Concurseiro: Atendimento e Marketing desenvolvido pela profª Amanda Lima.

4º Uma apostila desenvolvida pela ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas que é muito interessante, inclusive responde a uma pergunta que caiu no concurso da Caixa, vale a pena conferir!!

Caso você queira acrescentar algo faça um comentário.

Espero que aproveitem bem e bons estudos!

Aproveito para pedir que baixe meu livro A Fortaleza do Centro e fazer um comentário e caso goste divulgar para seus amigos, se possível no facebook e twitter.

1º Texto retirado de um blog para o concurso de 2008 da CEF 

Técnicas de Vendas

A aplicação da técnica de vendas, além de alavancar recursos, conseguir apoio e ajudar superar oposições, também evita contradições que podem levar a empresa ao descrédito.
A técnica de vendas pode ser representada por quatro letras: AIDA. Cada letra representa uma técnica a ser implementada.

A quer dizer atenção. Chamar a atenção.
I quer dizer interesse. Despertar o interesse.
D – desejo. Estimular o desejo.
A – ação. Gerar uma ação.

Os pressupostos técnicos da venda são:

1) Conhecimento do produto – o vendedor deve conhecer profundamente o produto, ou seja, deve conhecer seu funcionamento, como foi construído, a tecnologia empregada, o tempo de garantia, e todos os outros detalhes do produto;
2) Clientela – o vendedor deve encontrar seu nicho, sua clientela, identificar seu perfil;
3) Abordagem – o vendedor deve conquistar a atenção de seu cliente, sem gerar aversão a ele e ao produto;
4) Descobrir a necessidade do cliente e mostra-se pronto a satisfazê-la;
5) Comunicação – o vendedor deve adotar a linguagem do cliente, avaliar suas reações e envolvê-lo com lógica e confiança, superar objeções, sem ferir o orgulho e a vaidade do cliente;
6) Fechamentos da venda – o vendedor não pode se mostrar ansioso, nem burocrata, mas deve fazer o pedido com naturalidade e presteza, conduzindo o cliente a consumação da venda;
7) Acompanhamento – o vendedor não pode desinteressar-se do cliente, pelo contrário, deve sempre manter a perspectiva de uma venda futura.

Relações com Clientes

A política do relacionamento afinado, a polidez para contornar as dificuldades, sempre foram fatores de sucesso em vendas. Mas, além disso, o vendedor atento mantém em sua rotina certas atitudes como:

• avaliar as boas oportunidades de negócios para ofertá-las à sua clientela e assim ganhar sua confiança;
• manter contato com sua clientela, tratando-a com dedicação e zelo;
• acompanhar as operações com zelo transmite segurança para o cliente.

Planejamento de Vendas

Planejamento de vendas é traçar um plano, uma estratégia para maior sucesso nas vendas. Este plano deve conter itens como:

• território abrangido;
• plano de atendimento ao cliente;
• visitas e roteiros;
• controle de metas e custos.

Motivação para Vendas

A empresa deve proporcionar um atrativo plano de remuneração e carreira, estimulando o vendedor com perspectivas de ganho e sucesso em sua missão. Necessário se faz criar métodos que não permitam que a acomodação e a rotina se instalem. Métodos como rodízio de funcionários nos diversos setores de venda, por exemplo.

Remuneração da Força de Vendas

O vendedor deve ser bem remunerado, pois remuneração é fator de grande importância para estimular o agente de vendas.
A remuneração a vendas pode ser feita de várias formas:

• salário é pagamento de uma quantia fixa, desvinculada do volume de vendas;
• comissão é uma retribuição pecuniária variável de acordo com o volume de vendas. Portanto, ótimo estímulo para o vendedor.
• salário + comissão – o vendedor recebe uma parte fixa, desvinculada do volume de vendas e lhe proporciona segurança e uma parte variável de acordo com o volume de vendas que é justamente para estimular as vendas.
• bonificações, bônus e prêmios – são remunerações extraordinárias vinculadas às conquistas de metas e ao constante crescimento das vendas. É forma de muita eficiência na motivação dos vendedores. Pesquisas indicam que a melhor forma de remunerar os vendedores para mantê-los motivados é a mista, onde há um salário fixo e uma parcela variável concedida pelo atingimento de metas.

Marketing e Relacionamentos

Também chamado de marketing pessoal. É a técnica de estabelecer relacionamentos empresariais duradouros e produtivos, considerado como fundamental em vendas.
Para obter sucesso, o agente de vendas deve estar atento à aparência, mantendo-se otimista e confiante. Ter capacidade de comunicação, com clareza e objetividade. Argumentar com segurança e honestidade. Ser organizado e estar pronto para solucionar problemas e esclarecer dúvidas.

Segmento de Mercado

O mercado não é um bloco homogêneo. É formado por necessidades e desejos variados dos consumidores. Há gosto e necessidade para todo tipo de produto. É preciso identificar e avaliar cada parte, ou seja, os segmentos para então viabilizar um planejamento de vendas, definindo estratégias para oferecer um produto com as características daquele determinado segmento.
O segmento de mercado permite a distinção de interesses e necessidades de um grupo homogêneo de clientes e assim, oferecer produtos e serviços capazes de atender os desejos e necessidades do segmento. Assim, a empresa concentra seus esforços de forma consciente e planejada em uma parcela específica do mercado. Seu marketing é direcionado a grupo de indivíduos de características semelhantes.
É possível segmentar o mercado de várias formas como: segmentação demográfica, segmentação geográfica, por renda, por sexo, por grau de instrução, por profissões e muitas outras formas.

Administração do Tempo

Desperdiçar tempo é desperdiçar dinheiro. Muitas são as causas que levam ao desperdício de tempo como: desorganização, indisciplina na atividade profissional, desinteresse, hábitos inadequados, desinteresse nos resultados e muitas outras causas que tornam o tempo improdutivo.
Muitas são as sugestões fornecidas por vários estudiosos deste assunto, para melhor administrar o tempo. Vejamos algumas delas:

1) Confirme as suas visitas por telefone, assim você elimina viagens infrutíferas;
2) Aproveite bem seu tempo em viagens e deslocamentos. Nestes momentos é possível fazer uma série de atividades. Planeje com antecedência a tarefa que será possível fazer durante o percurso;
3) Elimine visitas inesperadas. Agende e confirme suas visitas;
4) Quando possível, faça com que o cliente o visite;
5) Desenvolva hábitos saudáveis de vendas, defina e enumere as prioridades diariamente;
6) Fale com quem decide.

2º Texto retirado do site da editora Ferreira para o concurso da Caixa: Técnicas de vendas desenvolvida pelo profº Geraldo Coutinho Jr.

TÉCNICAS DE VENDAS
CONCURSO DA CAIXA
PROF.: GERALDO COUTINHO JR
TÉCNICAS DE VENDAS
O processo de vendas pode ser dividido em três grandes fases, as quais veremos agora com detalhe: pré venda, a venda propriamente dita e o pós venda.
PRE VENDA


Na fase de pré venda desenvolvem se o planejamento e a concretização de uma série de atividades que irão auxiliar a seqüência do processo da venda. A empresa deve primeiro identificar o que o seu
mercado quer para depois sair em busca de clientes. Não adianta nada produzir 100 mil unidades do produto e adotar a postura de que o mercado terá de comprar todas essas unidades. Sem a pré venda,
os resultados de vendas da empresa ficariam por obra do acaso. A pré venda inclui diversas etapas, dentre as quais as principais são a prospecção do mercado, a análise da potencialidade do cliente, o agendamento de entrevistas e visitam elaboração de uma proposta comercial, a realização de visitas e da abordagem, o acompanhamento da proposta, a emissão do pedido e a elaboração de relatórios comerciais.

PROSPECTANDO O MERCADO
A prospecção do mercado é a identificação da clientela sobre a qual compensa mais dirigir os esforços e recursos de vendas. Podem se identificar novos clientes de diversas formas: indicação dos atuais clientes, aquisição de listagens e de cadastros de clientes (maffing), visita porta a porta, feiras, exposições, anúncios classificados, entidades de classe. Além de procurar vender mais para quem já vende, o vendedor tem de vender para quem ele ainda não vende, encontrando e conquistando novos e antigos clientes.
É proibido vender


A Lexus, marca de luxo da Toyota, destinou em um determinado ano mais de 10 milhões de dólares para serem gastos em festas com seus principais clientes cerca de 25 mil, o que representava algo em torno de 400 dólares por pessoa. Só, que com um detalhe: para que os potenciais compradores não se sentissem pressionados a fechar negócios, no local, os vendedores não só foram proibidos de abordar os convidados como também de participar da festa. Já tendo patrocinado também shows como um com o guitarrista Eric Clapton e torneios de golfe entre celebridades com direito a participações de astros como o jogador de basquete Michael Jordan, o único objetivo destas festas é trabalhar a imagem da: empresa, construindo um futuro relacionamento positivo.
Prospectar clientes é escolher com quem a empresa pretende gastar “seu cartucho”, para não sair desperdiçando “balas” por aí. Como o custo médio dos recursos envolvidos numa venda foi estimado como sendo superior a 200 dólares , é de se esperar que as empresas se concentrem em quem tem maior probabilidade e melhores condições de realmente adquirir o produto. Antes de se iniciar todo o processo de prospecção, é importante que se façam alguns questionamentos para melhor definir o que de fato se deseja e o que se está buscando em relação aos novos clientes.
QUESTÕES QUE DEVEM SER FEITAS ANTES DA PROSPECÇÃO DO MERCADO


o Quem são os clientes de maior potencial?
o Quais são as suas necessidade?
o que o motiva a comprar?
o Como é o seu comportamento de compra?
o que de fato ele deseja?
o Qual e a melhor forma de abordá-lo?
o Existe algum concorrente atuando nele?
A empresa deve saber quem é seu cliente, atentando sempre para as mudanças no mercado. Nos Estados Unidos, por exemplo, a Merck ganhou vantagem competitiva sobre seus concorrentes no mercado farmacêutico ao perceber que a compra dos remédios prescritos não estava mais sendo feita pelos médicos, e, sim, pelos hospitais.
Ela formou, então, uma equipe de vendedores especializada no atendimento aos hospitais, os quais nunca haviam sido considerados como clientes antes. Além disso, um cliente satisfeito, além de provavelmente querer comprar novamente da empresa, poderá indicar novos clientes e divulgar a empresa. Um comentário sincero sobre um produto ou uma recomendação espontânea de uma pessoa ou empresa para outra valem mais do que muita propaganda, além de, muitas vezes, trazerem o cliente até a empresa e facilitarem o trabalho do profissional de vendas.
Ao pedir indicações de potenciais clientes, o profissional de vendas deve saber lidar com uma certa relutância da pessoa por não querer que um conhecido seu seja incomodado pelo vendedor. Além disso, muitos preferem que seu nome não seja citado como tendo dado a indicação. Para se entrar em contato com o prospect, seja via telemarketing, mala direta, ligação telefônica com um convite para uma visita, almoço ou evento deve se obedecer a uma certa “etiqueta” na prospecção de clientes.
ETIQUETA NA PROSPECÇÃO DE CLIENTES
o Não aparecer “de surpresa” para uma apresentação numa empresa, sem ter tido nenhum contato anterior;
o Não fazer pressão para ser atendido devido ao fato de conhecer algum diretor da empresa ou alguém importante no mercado;
o Não relutar em dizer o propósito da ligação ou visita; e

o Não ser insistente demais, persistindo em conseguir uma visita quando o prospect já demonstrou que não está interessado

ANALISANDO A POTENCIALIDADE DO CLIENTE

Após definir claramente o que se está buscando e coletar uma série de informações sobre os clientes, pode se, então, iniciar o processo de análise da potencialidade do cliente, no qual, procura-se conhecer o cliente através de dados e indicadores.
AGENDANDO ENTREVISTAS E VISITAS
O processo de agendamento de visitas deve ser cercado de alguns cuidados que podem facilitar o trabalho de aprovação pelo qual o profissional de vendas passa para ser atendido. Para isso, ele deve considerar alguns fatores, como estabelecer quando é o melhor momento para a abordagem do cliente, definir o argumento da entrevista ou visita, levantar possíveis objeções e preparar contra argumentos para, por fim, marcar a entrevista ou visita.
ELABORANDO PROPOSTAS COMERCIAIS
Na elaboração de uma proposta comercial, o vendedor deve ser claro e objetivo, para que o cliente também possa se sentir da mesma forma. O profissional de vendas não pode, de forma alguma, gerar no cliente desconfiança ou a sensação de que está tentando tirar vantagem da situação.
Propostas documentadas e que possuam dados reais e informações estatísticas tendem a ser mais confiáveis, transmitindo a sensação de que o vendedor de fato analisou a situação e possui conhecimento das reais necessidades do cliente.

Alguns dos passos para a elaboração de um roteiro de visita comercial;
REALIZANDO VISITAS – A ABORDAGEM


Todo o planejamento pode resultar em nada no momento da visita. É muito importante que todos os cuidados que foram tomados na elaboração da proposta realizadas também sejam tomados na realização da visita e da abordagem. Assim, causar visita e uma boa impressão é fundamental devendo, por exemplo, ser pontual, vestir se abordagem adequadamente, ter uma conversa introdutória, apresentar tanto você como a empresa e o propósito da visita de forma clara e objetiva, entregar o cartão de visita, criar um ambiente que facilite a exposição da proposta, além de ouvir o cliente. Ser honesto com o cliente e consigo mesmo dá maior segurança e confiabilidade para a apresentação.
ACOMPANHANDO A PROPOSTA
Ao apresentar uma proposta, deve se estimular a participação do cliente, avaliar o seu grau de compreensão, verificar se há dúvidas e fazer uma “leitura gestual” do cliente, reparando, por exemplo, na sua postura física, expressão facial e movimentação das mãos, pois, às vezes, o vendedor pode não estar agradando e, dependendo do momento, ainda dá tempo para mudar de tática. Dois momentos costumam ser decisivos para a concretização da venda no acompanhamento da proposta: o tratamento que se deve dar às objeções e o momento oportuno de se efetuar o fechamento da venda.
Nem sempre os vendedores se preparam de forma adequada para fazer uma proposta. É possível que em algumas situações venham a ser pegos de surpresa por alguma objeção que não havia sido considerada. Deve se tentar avaliar o que de fato existe, por trás da objeção; pode ser que ela própria já traga consigo a resposta que o cliente espera ouvir do vendedor.
O momento do fechamento da venda é encarado por alguns vendedores como sendo de extremo sacrifício e desgaste. Pode ser exatamente o contrário, se a negociação for conduzida com clareza e envolvimento das partes. Se vendedor e cliente puderem ouvir e falar e se as dúvidas forem esclarecidas, o momento da venda será, provavelmente, encarado com satisfação e naturalidade por ambos.
Assim, alguns dados importantes para o acompanhamento da proposta são: efetuar um breve resumo do que foi exposto; enfatizar os pontos mais importantes da proposta; levantar as objeções; contra argumentar as objeções; verificar se algum ponto não ficou claro; propor o fechamento da venda para, por fim, fechar-la.
PLANEJAMENTO DE VENDAS
Vários são os meios de se planejar as vendas, seu crescimento, tendências e mudanças importantes.Conhecer os principais métodos de previsão de vendas, suas vantagens e desvantagens, possibilita diminuir a chance de uma escolha errada. Aliados a um bom planejamento de vendas e de marketing, permitem vislumbrar melhor o caminho que a empresa estará seguindo nos próximos períodos e preparar se para eles.
o PREVISÃO DE VENDAS
o ETAPAS E MÉTODOS DE PREVISÃO
o ORÇAMENTO DE VENDAS
o PLANEJAMENTO DAS VENDAS
o RELATÓRIOS COMERCIAIS
o A TECNOLOGIA A FAVOR DA ADMINISTRAÇÃO DE VENDAS PREVISÃO DE VENDAS
Antigamente, para estabelecer as metas de vendas, as empresas consideravam o que tinham vendido no período anterior e, perguntando aos clientes quais seriam suas compras futuras, estabeleciam as novas quantidades a serem produzidas.
Outras vezes, determinavam o novo patamar utilizando a taxa de crescimento das vendas do ano anterior. Posteriormente a essa fase, que poderíamos chamar de empírica, passaram a utilizar métodos estatísticos, como ajustamentos lineares, parabólicos e equações de múltiplas variáveis, construídos a partir dos históricos de vendas.
No entanto, para que esse processo, conhecido como extrapolação, desse certo, era preciso que as condições ocorridas no período considerado como base continuassem a se verificar, o que nem sempre ocorre.
As empresas brasileiras passaram, então, a se basear em dados de países mais desenvolvidos para determinar como seria a demanda no futuro. No entanto, além de só poder ser utilizado por países que se encontram em defasagem em relação aos outros, este método também era prejudicado pelos hábitos culturais, que variam enormemente de um país para outro, e pelos saltos tecnológicos, que evitam a passagem de todas as etapas ocorridas no país de origem.
A correlação, tanto simples como múltipla, também foi largamente utilizada. O método da correlação consiste em considerar duas variáveis que estão interligadas de forma que, ao se alterar uma delas, a outra variará numa proporção determinada. Por exemplo, quando o poder aquisitivo da população cai, o mercado de usados e de manutenção mecânicos, funileiros e pintores de automóveis aumenta, pois as pessoas deixam de adquirir automóveis novos e passam a dar um maior cuidado aos usados.
Com a quebra da Bolsa de Valores de NovaYork em 1929 e a crise do petróleo de 1930, todos os países e empresas do mundo foram atingidos de uma forma e intensidade que nenhum método de previsão pôde antecipar. As empresas perceberam, então, que qualquer um dos métodos, por mais preciso que fosse, jamais poderia ter detectado com exatidão os efeitos causados por essas crises.
Ficou claro que existem situações diferenciadas que podem influenciar uma empresa e que podem não ter acontecido no passado e, portanto, não podem ser consideradas numa análise que tenha por base o período anterior. É o que acontece também com a estagflação, situação caracterizada pela paralisação das atividades econômicas e da produção em paralelo com a inflação ou, de outra maneira, a coexistência da inflação com a estagnação econômica.
Os estudiosos resolveram, então, buscar outras maneiras que pudessem ser empregadas pelos executivos para determinarem com uma certa precisão como seria o mercado de amanhã.
Perceberam que, embora se fale muito em turbulência, ela não ocorre repentinamente. Notaram que, se o histórico econômico de um país ou de um mercado fosse acompanhado continuamente, por meio do estudo de uma série de variáveis que o representem, poderia ser possível detectar uma mudança com a antecedência necessária para a empresa se preparar para enfrentar a situação anômala, seja ela uma oportunidade ou ameaça mercadológica.
ETAPAS E MÉTODOS DE PREVISÃO
Deve haver um grande entrelaçamento entre a previsão e o orçamento de vendas para que o controle operacional de uma atividade comercial possa ser atingido em toda a sua plenitude inicialmente programada.

PREVISÃO DE VENDAS


o Determinar os objetivos para os quais serão usadas as previsões
o Dividir os produtos a serem estudados em grupos homogêneos.
o Determinar, com maior exatidão possível, quais os fatores que influenciam as vendas de cada produto, ou grupo de produtos, e procurar estabelecer a importância relativa de cada um deles.
o Escolher um método de previsão de vendas mais adequado para cada caso.
o Reunir todas as informações disponíveis
o Analisar as informações.
o Verificar os resultados da análise e compará-los entre si ou com outros fatores disponíveis.
o Estabelecer premissas sobre os efeitos dos fatores que não podem ser calculados numericamente.
o Converter as deduções e as premissas em previsões específicas para o mercado em geral e para regiões particulares.
o Analisar o desempenho das vendas e rever periodicamente as previsões.
Assim, o mecanismo de previsão de vendas é sempre elaborado mediante as perspectivas de ocorrências futuras. As expectativas destas ocorrências são trabalhadas com base no momento atualmente conhecido.
Diante do quadro hoje identificado pelas organizações, seus executivos e coordenadores de equipes comerciais agregam as possibilidades de certas ocorrências do macro ambiente, que são conhecidas pelo mercado como mudanças cambiais, eleições, surgimento de novos mercados ou setores específicos de consumo.
A junção destes fatos conhecidos (históricos e atuais) com as expectativas de transformações futuras possibilitam ao profissional responsável pela elaboração da previsão de vendas idealizar um objetivo
para ser contemplado, compreendido e atingido pelo grupo comercial da organização.
Sendo assim, a previsão de vendas é a projeção numérica das expectativas da organização retratada num determinado momento pelas opiniões e análises de seus profissionais e do que poderá ocorrer no futuro dentro do mercado alvo de atuação.
O sucesso em se atingir esta previsão é dependente de fatores externos à organização, ou seja, é dependente da ação de pessoas que não estão sob o controle da organização.
Esse fator de vulnerabilidade faz com que os executores da previsão de vendas utilizem margens de segurança e rotas de ajustes na elaboração do processo, a fim de que esta maior flexibilidade possa garantir, mesmo que as variáveis mudem, o objetivo global da organização definido no início do processo de previsão.
Existem alguns fatores que podem definir os rumos de uma organização e, principalmente, o volume de vendas de um determinado período.
Na previsão de vendas, deve se avaliar quais são as conseqüências positivas ou negativas, inflação, demanda por produtos complementares ou substitutos e entrada de novos concorrentes.
Estas análises correspondem principalmente ao exame das condições internas responsáveis pela rapidez de respostas aos anseios do mercado e das condições do setor de atividade da empresa (análise micro-ambiental) e das condições gerais dos negócios e da economia em geral (análise macro-ambiental).
Para a análise micro-ambiental é necessário examinar criteriosamente as reais perspectivas que existem no setor de atuação, ramo ou mercado e que possam gerar possibilidades otimistas ou pessimistas sobre a continuidade do negócio em si.
Ao analisar se ela, o mercado e os clientes possuem condições favoráveis no momento, a organização poderá se deparar com um quadro que defina com maior segurança o rumo de seus negócios.
Com relação à análise macro ambiental ao observar as condições gerais dos negócios e da economia em geral, ela traz a possibilidade de se avaliar e controlar melhor os números que serão afixados na previsão de vendas.
Deve se ter a preocupação em avaliar sempre não só o negócio em que se está envolvido, mas também as perspectivas que envolvem setores direta ou indiretamente relacionados, pois, assim, pode se ter uma visão mais ampla dos rumos globais e, conseqüentemente, maior segurança na elaboração da previsão de vendas.
Existem vários métodos de previsão de vendas. Alguns mais antigos, outros mais modernos, mas todos com algumas vantagens e desvantagens, como veremos a seguir.
Alguns deles são baseados em processos científicos apurados, refletindo a preocupação das organizações em possuir segurança para a previsão futura: são os métodos científicos. No outro extremo, estão os métodos pouco conceituados cientificamente, mas que são usados em função dos recursos disponíveis: são os métodos não científicos.
MOTIVAÇÃO PARA VENDAS


Uma das tarefas mais difíceis do gestor da área comercial, seja ele gerente ou supervisor de vendas, é conseguir manter motivada a sua equipe de trabalho.
Motivação pode ser definida como a disposição de exercitar um nível persistente e elevado de esforço na direção de metas organizacionais, condicionada pela capacidade do esforço de satisfazer certa necessidade individual.
Para qualquer área da organização, a motivação da equipe é fundamental para o bom andamento do trabalho, integração das pessoas, execução das tarefas, produtividade e até mesmo para manutenção do ambiente organizacional. Porém, para os vendedores os aspectos motivacionais são imprescindíveis para mantê-los atuantes no mercado.
O profissional de vendas necessita ser constantemente estimulado para poder manter ou aumentar seu ritmo e rendimento no trabalho, principalmente, pelo fato de seu dia a dia ser altamente dinâmico e incerto, pois, dentre os contatos que ele realiza, grande parte não gera um resultado positivo. Isso equivale a dizer que o vendedor está exposto constantemente à frustração, como, perder uma venda ou, até mesmo, o cliente para a concorrência, de uma visita não poder mais ser realizada, uma prospecção frustrada por não ter sido recebido pelo comprador, uma negociação que não chegou ao resultado esperado ou que corroeu a sua comissão.
Assim, mais resumidamente, motivação pode ser entendida como a energia que flui de dentro das pessoas, direcionando a ação. E, como toda energia, se não for constantemente alimentada, acaba.
Cada indivíduo tem uma forma de perceber e de reagir aos estímulos externos, que na verdade servem como canais energizadores dos componentes da motivação.
Assim sendo, a única maneira de motivar as pessoas é conhecer de fato quais são estes estímulos e de que maneira eles afetam cada uma das pessoas que compõem a equipe de trabalho.
Algumas organizações ainda acreditam que as pessoas, principalmente os vendedores, são motivadas apenas pelo dinheiro que recebem. A remuneração do vendedor é considerada como o principal
elemento motivacional e, portanto, quando a equipe ou o vendedor estão desmotivados é porque são mal remunerados ou a comissão está muito baixa.
Entretanto, o que se tem observado é que o descontentamento com a organização ou a desmotivação da equipe de vendas estão ligados aos fatores; falta de parâmetros para a promoção dos vendedores;
iniqüidade na forma de remuneração entre os componentes da equipe e na distribuição de responsabilidade e carga de trabalho, resultantes, por exemplo, da região de atuação ou do porte dos clientes;
protecionismo; não objetividade e falta de clareza na definição das metas a serem atingidas e dos prêmios a serem distribuídos;
pouca preocupação com o profissional com relação às suas necessidades e dificuldades; a ausência de novos desafios; condições precárias de trabalho; falta de reconhecimento pelo esforço ou pelo resultado alcançado e, até mesmo falta de confiança na gestão ou administração do supervisor ou gerente de vendas.
Isso não significa que se essas questões não estiverem resolvidas os vendedores estarão eternamente insatisfeitos e, conseqüentemente, desmotivados. Existe, porém, um mínimo que deve ser realizado para manter a equipe coesa e motivada.
Um dos principais aspectos que possibilitam a motivação da equipe de vendas está ligado ao próprio ambiente organizacional. É importante que os vendedores saibam qual é a missão e quais os desafios que a empresa deseja alcançar e o que é valorizado como atitude e postura profissionais. Além disso, deve ser deixado claro quais são as políticas e os procedimentos adotados que darão suporte à missão da organização.
Não existe nada mais temerário do que as pessoas não saberem por onde estão caminhando ou de que maneira devem se comportar em diferentes situações.
As informações da empresa devem ser divulgadas de maneira clara e aberta, em todos os níveis, evitando assim dúvidas ou boatos que acabam permeando não só os diferentes níveis da empresa, mas chegam até o cliente, podendo gerar descontentamentos desnecessários.
Ainda dentro do contexto do ambiente, os vendedores se sentirão reconhecidos e motivados se forem disponibilizados os recursos necessários para que possam desempenhar o seu papel, incluindo aqui o
treinamento.
Outro aspecto com que o supervisor ou gestor da equipe comercial deve se preocupar são as questões que envolvem o conteúdo da função do vendedor.
O profissional de vendas tem como característica ser movido por desafios constantes e necessita que o seu trabalho seja reconhecido como importante. Para ele é fundamental ter grande responsabilidade e autoridade dentro do exercício de sua função. Isso pode ser feito por meio da atribuição de um cliente de maior importância para a empresa ou mais difícil de se atender, dando ao vendedor maior margem para negociação, ou ainda pela solicitação de que ele assuma outras atividades, como o suporte a um colega que está com dificuldades na conquista de um cliente.
Cada profissional tem características próprias, portanto, dentro das possibilidades e das características do negócio, é importante tentar conciliara atividade profissional com o perfil pessoal, adaptando as funções aos estilos, considerando as habilidades e as motivações individuais. Deve se observar os exemplos de atitudes consideradas motivacionais que podem ser usadas pelo líder de uma equipe de vendas.
RELAÇÕES COM CLIENTES


As empresas estão buscando a todo o momento estreitar o seu contato com o mercado.
Na Inglaterra, por exemplo, a rede de supermercados Tesco tem uma cópia autorizada da chave do carro de alguns de seus clientes para, depois de cumprir a lista de compras pela Internet, colocar as
sacolas diretamente no porta-malas dos veículos de seus clientes, na garagem da empresa na qual trabalham ou em qualquer outro lugar no qual o carro fique estacionado.
Esta abordagem tem como grande objetivo deixar o cliente próximo da empresa e não vulnerável às ações dos concorrentes. As formas atuais utilizadas pelas empresas demonstram uma preocupação
constante em não perder seus clientes fiéis e em oferecer fatos novos a cada momento.
É por meio da criação de uma ampla gama de novidades que as empresas buscam cativar o seu público, evitando, assim, uma possível vulnerabilidade quanto às ações de seus concorrentes diretos ou indiretos.
A proteção do seu nicho de consumidores faz com que os custos operacionais das organizações também se elevem a patamares que em muitas ocasiões suplantam as margens preestabelecidas pela cúpula da organização. Neste caso, o fator financeiro acaba se tornando um limitador para a aprovação de ações que visam a cativar o consumidor. Existem casos em que planos de ações de fidelização do consumidor superam os custos incorridos, porém os projetos são levados adiante para firmar uma imagem institucional mais sólida. Assim, as metas esperadas pela organização podem ser definidas como de longo prazo, o que torna a ação possível de ser executada mesmo com um quadro não favorável ou considerado deficitário quando analisado isoladamente.
As organizações que possuem flexibilidade para trabalhar com seu composto de produtos sabem que a recuperação deste investimento ocorre no conjunto da comercialização de todos os produtos da linha, que eles podem estar envolvidos em uma política mais ampla, conhecida também como estratégia de guarda chuva.
Portanto, os custos de implantação são absorvidos pelo conjunto total de itens comercializados.
As constantes atitudes identificadas como de relacionamento acabam sendo vistas pelo mercado consumidor como vantagens que são oferecidas em troca de uma maior concentração de compras.
Esta ação muitas vezes é considerada exclusivamente de caráter promocional, porém o consumidor a percebe como algo que se incorpora ao produto. Se esta ação não for bem planejada e refletida, a empresa poderá estar se complicando no médio prazo, pois o mercado irá sentir a falta do complemento incorporado anteriormente ao produto na condição de ação promocional.
No mercado brasileiro, encontramos diversos casos em que os planos de afinidade são atualmente entendidos como parte integrante do produto ou serviço que está sendo oferecido: planos de afinidade de cartões de crédito (como o da American Express Membership Rewards e do Diners Club Rewards), os planos de acúmulo de milhagem das companhias aéreas, a troca de 10 tíquetes de pizzas por uma gratuita, cartões de relacionamento e duchas externas nos veículos após abastecimento de combustível. O problema com que atualmente algumas destas empresas convivem é tentar separar as vantagens, que podem ser temporárias, dos produtos. Portanto, é salutar que exista uma proposta clara dos objetivos que se buscam quando se adota um plano que envolva relacionamento e fidelização dos consumidores.

3º Apostila da Casa do Concurseiro: Atendimento e Marketing desenvolvido pela profª Amanda Lima.

Atendimento e Marketing  ( Caso este link não funcione clique no link acima que irá para a mesma apostila ).

4º Uma apostila desenvolvida pela ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas que é muito interessante, inclusive responde a uma pergunta que caiu no concurso da Caixa, vale a pena conferir!!

Abordagem e Técnicas de vendas

Não esqueça de ler meu livro e se gostar divulgue-o para seus amigos no facebook e twitter. É só clicar no banner abaixo:

Anúncios

Sobre Eder Sabino Carlos

Sou formado em Ciências Econômicas e desenvolvi este site para democratizar materiais de estudos de qualidade para concursos públicos e Enem. Hoje sou representante de vendas na área de material de construçãoa na cidade de Vila Velha ES. Gosto de ler livros de aventura e tenho um livro publicado em e-book com o título de A Fortaleza do Centro. Um livro de aventura infanto-juvenil, mas adultos também estão gostando. Você pode baixar o livro no site e aproveite e veja os comentários das pessoas que já o leram.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s