Pular para o conteúdo

Software de computadores ( Programas)

25/04/2011

Software de computadores ( Programas):

Coloquei três artigos que acredito deixou a matéria bem completa, então sugiro que leia as três para ficar bem preparado(a) para o concurso.

1º Software ( Wikipédia )

2º Programa de computador ( Wikipédia )

3º Programas de Fátima Conti.

1º Software

Softwarelogiciário ou suporte lógico é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redirecionamento ou modificação de um dado/informação ou acontecimento. Software também é o nome dado ao comportamento exibido por essa seqüência de instruções quando executada em um computador ou máquina semelhante além de um produto desenvolvido pela Engenharia de software, e inclui não só o programa de computador propriamente dito, mas também manuais e especificações. Para fins contábeis e financeiros, o Software é considerado um Bens de capital.

Este produto passa por várias etapas como: análise econômica, análise de requisitos, especificação, codificação, teste, documentação, Treinamento,manutenção e implantação nos ambientes.

Software como programa de computador

Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por umamáquina virtual. Em um programa correto e funcional, essa sequência segue padrões específicos que resultam em um comportamento desejado.

Um programa pode ser executado por qualquer dispositivo capaz de interpretar e executar as instruções de que é formado.

Quando um software está representado como instruções que podem ser executadas diretamente por um processador dizemos que está escrito em linguagem de máquina. A execução de um software também pode ser intermediada por um programa interpretador, responsável por interpretar e executar cada uma de suas instruções. Uma categoria especial e notável de interpretadores são as máquinas virtuais, como a Máquina virtual Java (JVM), que simulam um computador inteiro, real ou imaginado.

O dispositivo mais conhecido que dispõe de um processador é o computador. Atualmente, com o barateamento dos microprocessadores, existem outras máquinas programáveis, como telefone celular, máquinas de automação industrial, calculadora, etc.

A construção de um programa de computador

Um programa é um conjunto de instruções para o processador (linguagem de máquina). Entretanto, pode-se utilizar linguagens de programação, que traduza comandos em instruções para o processador.

Normalmente, programas de computador são escritos em linguagens de programação, pois estas foram projetadas para aproximar-se das linguagens usadas por seres humanos. Raramente a linguagem de máquina é usada para desenvolver um programa. Atualmente existe uma quantidade muito grande de linguagens de programação, dentre elas as mais populares no momento são Java, Visual Basic, C, C++, PHP, dentre outras.[1]

Alguns programas feitos para usos específicos, como por exemplo software embarcado ou software embutido, ainda são feitos em linguagem de máquina para aumentar a velocidade ou diminuir o espaço consumido. Em todo caso, a melhoria dos processadores dedicados também vem diminuindo essa prática, sendo a C uma linguagem típica para esse tipo de projeto. Essa prática, porém, vem caindo em desuso, principalmente devido à grande complexidade dos processadores atuais, dos sistemas operacionais e dos problemas tratados. Muito raramente, realmente apenas em casos excepcionais, é utilizado o código de máquina, a representação numérica utilizada diretamente pelo processador.

O Programa é inicialmente “carregado” na memória principal. Após carregar o programa, o computador encontra o ‘Entry Point’ ou ponto inicial de entrada do programa que carregou e lê as instruções sucessivamente byte por byte. As instruções do programa são passadas para o sistema ou processador onde são traduzidas da linguagens de programação para a linguagem de máquina, sendo em seguida executadas ou diretamente para o hardware, que recebe as instruções na forma de linguagem de máquina.

Tipos de programas de computador

Qualquer computador moderno tem uma variedade de programas que fazem diversas tarefas.

Eles podem ser classificados em duas grandes categorias:

  1. Software de sistema que incluiu o firmware (O BIOS dos computadores pessoais, por exemplo), drivers de dispositivos, o sistema operacional e tipicamente uma interface gráfica que, em conjunto, permitem ao usuário interagir com o computador e seus periféricos.
  2. Software aplicativo, que permite ao usuário fazer uma ou mais tarefas específicas. Aplicativos podem ter uma abrangência de uso de larga escala, muitas vezes em âmbito mundial; nestes casos, os programas tendem a ser mais robustos e mais padronizados. Programas escritos para um pequeno mercado têm um nível de padronização menor.

Ainda é possível usar a categoria Software embutido ou Software embarcado, indicando software destinado a funcionar dentro de uma máquina que não é um computador de uso geral e normalmente com um destino muito específico

Atualmente temos um novo tipo de software. O software como serviço, que é um tipo que roda diretamente na internet, não sendo necessário instalar nada no computador do usuário. Geralmente esse tipo de software é gratuito e tem as mesmas funcionalidades das versões desktop.

Licenças

A maioria do software é publicado sob uma licença de software. Essa licença define e até restringe qual a forma que se pode utilizar o software definido números de licenças, modificações entre outros. Exemplos de licenças:

  • GNU General Public License
  • Licença BSD
  • Licença Apache
  • Licença comercial
  • Licença de software
  • Licença de software livre
  • Software livre
  • Freeware
  • Shareware
  • Demo
  • Trial

2º Programa de computador

Um programa de computador ou programa informático é uma coleção de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada por umcomputador. O termo pode ser uma referência ao código fonte, escrito em alguma linguagem de programação, ou ao arquivo que contém a forma executável deste código fonte.

História

O programa de computador surgiu antes do desenvolvimento do computador eletrônico. Um trabalho publicado em 1843 por Ada Lovelace, sugerindo uma forma para calcular os números de Bernoulli através da máquina analítica de Charles Babbage, é tido como o primeiro programa de computador.

A primeira aplicação prática da programação surgiu com os dispositivos baseados em cartões perfurados, que eram utilizados desde oséculo XVIII na indústria da confecção. O empresário estadunidense Hermann Hollerith utilizou o conceito no processamento dos dados do censo dos Estados Unidos da América em 1890.

Os primeiros computadores eletrônicos eram programados somente através de linguagens de baixo nível. Essas linguagens não disponibilizavam um nível de abstração sobre o hardware e os comandos eram interpretados diretamente pelos circuitos eletrônicos. NoENIAC, um dos equipamentos mais emblemáticos na história da computação, a programação era realizada através de ligações manuais, que uniam as unidades de processamento do computador, formando uma sequência de execução.

As linguagens de alto nível surgiram por volta da década de 1940, como a Plankalkül e a Short Code, e tiveram grande impulso com o desenvolvimento dos compiladores, que tornaram a programação uma atividade possível para um grande número de pessoas. Na década de 1950 surgiu a primeira linguagem de grande aceitação, o Fortran.

Terminologia

Um programa de computador é a formalização de um algoritmo em qualquer linguagem capaz de ser transformada em instruções que serão executadas por um computador gerando os resultados esperados .

O termo “software” pode ser utilizado quando se quer designar um conjunto de programas ou, mais freqüentemente, quando é feita uma referência à parte não física do sistema computacional, em contraposição ao termo “hardware”, que designa o conjunto de componentes eletrônicos que constituem um computador.

Os programas de computador utilizados diretamente por pessoas comuns, como os editores de texto, são chamados de software aplicativo, ou de aplicação. Os programas voltados para dar suporte funcional aos computadores, como os sistemas operacionais, são chamados de software de sistema. Esses softwares, assim como aqueles embutidos em outros sistemas (firmware), podem ser genericamente chamados de “programas”.

Execução do programa

Um programa de computador é primeiramente carregado na memória do computador (usualmente pelo sistema operacional). O sistema operacional organiza três blocos de memória, também chamados segmentos. O primeiro é o segmento de código, que é estático em tamanho e em conteúdo. Ele recebe todo o código de máquina que define as subrotinas do programa, e o endereço de cada subrotina é definido como o menor dos endereços das células de memória que a definem.

O segundo bloco de memória é o segmento de dados, e recebe as variáveis globais. Assim como no segmento de código, o endereço de cada variável é definido como o menor dos endereços das células de memória que o definem. Ele é estático em tamanho mas dinâmico em conteúdo, o que significa que este segmento não pode criar variáveis em tempo de execução, mas o conteúdo é variável, pode ser modificado.

O terceiro bloco de memória é o segmento de pilha, uma área de memória na qual armazena-se informação em forma de uma pilha. ele serve para armazenar informações como variáveis locais, parâmetros de subrotinas e endereços de retorno (para onde o fluxo do programa deve ir após a execução de uma função, isto é, o ponto logo após ela foi invocada.) Antes da execução do programa propriamente dita, a pilha é esvaziada.

A partir de então o programa é executado, instrução por instrução, até o seu término. A execução de um programa de computador pode ser abreviada em caso de erro de software ou de hardware.

Programa versus dados

A forma executável de um programa, normalmente um código objeto, é freqüentemente tratada como algo separado dos dados utilizados por este programa. Em algumas linguagens, como o LISP, esta distinção não é tão clara pois os programas podem criar ou modificar os dados, que em seguida são executados como parte do mesmo programa.

Programação


O ato de programar um computador é um processo iterativo que consiste na criação ou alteração de código fonte, seguido de testes, análise e posterior refinamento do resultado. Uma pessoa que realiza este trabalho é conhecida como programador de computador ou desenvolvedor de software. A criação de programas de computador, quando baseada em metodologias ou processos formalizados, é conhecida comoengenharia de software.

3º Programas de Fátima Conti

Programas:

Função e tipos

Tudo que um computador faz é instruído a partir de programas.

Um programa (em inglês, software) é uma sequência de instruções específicas que descrevem uma tarefa a ser realizada por um computador, na manipulação, redirecionamento ou modificação de dados, de maneira lógica.

Ess termo é utilizado tanto para o código fonte, escrito em alguma linguagem de programação, como para o arquivo que contém a forma executável deste código fonte.

Há diversas linguagens que permitem criar essa sequência de instruções, sendo que
 algumas são compiladas
 e outras são interpretadas.

As primeiras, após ser compilado o código fonte, transformam-se em software, isto é, programas executáveis.

Portanto, programas são arquivos que contém comandos para a máquina, tendo, em geral, formato exe, com ou bat no sistema operacional Windows.

Evidentemente, os programas não são infalíveis e, mesmo depois de repetidamente testados, podem apresentar erros que, comumente, chamados de bugs.

Esses erros deverão ser eliminados

 por meio de pequenos programas complementares ou
 em novas versões, em que terão novos recursos, e/ou serão mais adequadas ao hardware, podendo explorar melhor as possibilidades do sistema operacional.

Atualmente a maioria dos programas possui uma interface gráfica amigável, ou seja, uma tela com ícones clicáveis que dão acesso às funções do sistema.

Portanto, o usuário não precisa conhecer a linguagem do computador para executar os comandos, basta clicar sobre o comando escolhido, na forma de uma palavra ou de uma figura, ou digitar uma combinação específica de teclas, para que o programa envie uma mensagem para o processador causando a execução de uma certa tarefa.

Se quiser saber mais sobre as diferentes formas de adquirir um programa clique em:

| Adware | Demo | Freeware | Gratuito | Nagware | Software livre e Open Source |

| “Proprietário” | Shareware | Software Livre | Trial | Outros |

Programas – função

Para que o computador execute as diferentes funções que esperamos dele é necessário instalar programas específicos.

Pode-se dividir os programas em grupos:
 Softwares básicos e programas de sistema,
 Softwares aplicativos e
 PlugIns e AddOns.

| Atualização automática | Aplicativos | BIOS | Boot |

| PlugIns e AddOns | Sistema operacional | Spyware | Utilitários |

Softwares básicos e programas de sistema

BIOS

É o Sistema Básico de Entrada/Saída (“Basic Input/OutputSystem”) é o sistema de ativação de entradas e saídas, ou seja, é o programa básico do computador, encarregado de ativar seus recursos como processador, placa de vídeo, unidades de disco (disco rígido, CD, disquete, pendrive) mouse, teclado, monitor, memória. Portanto, o BIOS inicializa todos os dispositivos básicos do sistema e, logo a seguir entrega o comando ao sistema operacional.

O BIOS é gravado em memória ROM pois, logo que se liga o computador o microprocessador ainda não pode dispor de seus recursos básicos, assim o BIOS é gravado em memória permanente e programado em código de máquina, de modo a inicializar o computador, sem depender de qualquer outro programa.

Para manter as configurações da BIOS, uma bateria de níquel-cádmio ou de lítio é usada. Portanto, mesmo com o computador desligado, o relógio e as configurações de hardware são mantidos ativos. Assim, ao ligar o computador o BIOS executa o auto teste inicial do sistema.

Boot – a inicialização do sistema

A palavra “boot”, (em inglês = botina) é aplicada ao procedimento de inicialização do sistema operacional, pois há um ditado nos E.U.A.”Rising oneself up pulling their own bootstraps” que significa levantar-se puxando para cima os cordões das próprias botinas. Ou seja, alguém que consegue realizar uma tarefa muito difícil sozinho, sem qualquer ajuda externa.

O computador executa ação semelhante ao ser ligado: por si mesmo aciona seus circuitos, testa cada um deles, carrega o sistema operacional e se põe à disposição do usuário, sem ajuda externa.

Na mesma memória ROM onde o BIOS fica armazenado, também estão mais dois programas: o Setup e o POST. O Setup é um programa de configuração do BIOS, que permite configurar parâmetros como ordem de boot, tamanho dos discos instalados…

A seguir o POST (“Power OSelf Test”) faz um autoteste de partida, ou seja executa uma série de testes sempre que se liga o sistema, inclusive o teste de contagem de memória. Se tudo estiver em ordem, o sistema operacional é carregado. E, só então, são carregados os drivers e programas auxiliares. (Os drivers são extensões do sistema operacional que se destinam a controlar equipamentos e placas).

Depois que os recursos básicos foram ativados pelo BIOS e testados pelo POST o computador fica com o microprocessador disponível para receber instruções e executá-las. Com o sistema operacional carregado o computador está pronto para executar os comandos e também os outros programas.

Sistema Operacional

sistema operacional (S.O.) é uma espécie de base sobre a qual são executados diversos programas utilizados por um computador. Em português europeu é denominado sistema operativo.

É o intermediário, a interface entre o hardware e o software, ou seja, entre os componentes físicos do computador com os programas. Essa é uma perspectiva do usuário ou do programador (visão “top-down” – de cima para baixo).

Já em uma perspectiva de baixo para cima (visão “bottom-up”) é um gerenciador de recursos, ou seja, controla quando e quais recursos (memória, disco, periféricos) podem ser utilizados. E quais aplicações (processos) podem ser executadas.

Na prática, o sistema operacional consiste de uma série de programas gravados no disco rígido que são carregados na memória (ou seja, são levados à memória RAM) e são executados ( “rodam” ) assim que o computador é ligado.

Portanto, logo que o sistema operacional entra em funcionamento é feito um ajuste e, também, a verificação de todos os periféricos existentes. Então, o sistema fica esperando comandos do usuário.

Ao emitir um comando desencadeia-se a execução de tarefas bem determinadas (exemplos: ler a tecla pressionada no teclado, gravar na memória de vídeo o código de um caracter, transferir um arquivo de uma mídia externa (por exemplo: um disquete, um CD ou de um pendrive) para a memória principal, apagar um byte gravado na memória etc.)

O S.O. é uma plataforma sobre a qual se pode executar vários tipos de programas, como aplicativos e jogos. Assim, um sistema operacional é utilizado para operar e gerenciar a ação dos outros programas e coordená-los com a atividade do equipamento, inclusive os periféricos (teclado, monitor, mouse, impressora …).

Portanto, é o S.O. que recebe as ordens do usuário, traduzindo-as para uma linguagem compreensível pelo computador. Ele também traduz, em uma linguagem mais acessível, a resposta da máquina aos comandos do usuário. Ou seja, o sistema operacional pode ser considerado um intérprete entre o usuário e o computador, além de ser um gerenciador das atividades realizadas pela máquina.

Atualmente são usadas interfaces gráficas, ou seja, na tela do sistema aparecem imagens (ícones) que, quando clicadas, dão acesso a funções de programas instalados e do sistema, por meio do teclado ou de simples cliques de mouse.

Portanto, a função de um S.O. é controlar todos os equipamentos instalados na máquina, permitindo que se possa executar as tarefas básicas de um computador, por meio da ativação de elementos na tela, tais como: ícones, opções de menus, janelas, opções em janelas etc.

Alguns exemplos de sistema operacional são: Linux (em suas várias distribuições: Debian, Conectiva, Mandrake, Red Hat, Kurumin, Ubuntu , SUSE, …), OS/2, Windows (versões 95, 98, ME, 2000, XP, Vista), DOS, etc.

Processamento e classificação

Se considerarmos o processamento, pode-se classificar os computadores de acordo com:


1. Quantidade de processos simultâneos

 Monotarefa: pode executar apenas um processo em cada vez. Exemplo: DOS.

 Multitarefa: diversos processos de utilizador (tarefas) são carregados em memória além do S.O. Nesse caso, o compartilhamento de tempo no processador é distribuído.

Assim, como o computador trabalha muito rapidamente, o usuário tem a impressão que vários processos estão sendo executados simultaneamente. Mas um dos processos ocupa o processador enquanto os outros ficam enfileirados, aguardando a sua vez. Exemplos: OS/2, Windows, Linux, FreeBSD e o Mac OS X.

 Multiprocessamento: o S.O. distribui as tarefas entre dois ou mais processadores.

 Multiprogramação: o S.O. mantém o processador sempre ocupado, dividindo o tempo de processamento entre diversos processos.


2. Arquitetura

Tanenbaum (1999) classificou os computadores de acordo com seu projeto ( ou arquitetura):

 Kernel monolítico ou monobloco: Há um único processo sendo executado em uma memória protegida (espaço do kernel) executando as principais funções. Exemplo: Linux, OS/2, FreeBSD, Windows.

 Microkernel ou modelo cliente-servidor: Funções mínimas, como comunicação e gerenciamento de processos são controladas no núcleo. Outras funções, como sistemas de arquivos e gerenciamento de memória, são executadas no espaço do usuário como serviços; as aplicações (programas) são os clientes. Exemplo: GNU Hurd, Mach.

 Sistema em camadas: Há níveis de privilégio de prioridade de execução dos processos, definidos por camadas. Exemplo: Multics.

 Monitor de máquinas virtuais: fornece uma abstração do hardware para vários sistemas operacionais. Exemplo: VM/370, VMware, Xen.

Nomenclatura

Alguns nomes são utilizados para dar ênfase a programas úteis.

Utilitários

são programas que atuam sobre o sistema operacional para melhorar o desempenho dos mesmos ou lhes incluir novos recursos, ou seja, ampliam os recursos do sistema facilitando o uso e auxiliando a manutenção de programas. Administram o ambiente oferecendo possibilitando que o usuário organize os discos, verifique a memória, corrija falhas, etc. 

Exemplos: Formatadores; Programas de backup; Compactadores, Desfragmentadores, Antivírus, Editores de texto, etc.

Softwares aplicativos

O sistema operacional pode ser comparado com um palco, em que os aplicativos, que são os atores, atuam.

São esses programas que executam as funções desejadas pelo usuário. Sem eles o sistema operacional não passa de um conjunto de drivers e bibliotecas, sem qualquer utilidade prática.

Portanto, os aplicativos são programas específicos para resolver diferentes tarefas par o usuário, como: acessar a internet, enviar e resceber mensagens, criar e editar textos, planilhas e apresentações etc…

Os aplicativos são criados e comercializados por empresas especializadas, que os desenvolvem especificamente para um determinado sistema operacional, por exemplo, há um BrOffice.org para Linux e outro BrOffice.org para Windows.

Os aplicativos podem ter utilização:

- geral: são programas que tem vários tipos de finalidades. Exemplos: editores de texto, como o Writer; gráficos e planilhas, como o Calc, apresentação, como o Impress; navegadores, como o Firefox, e a suíte Mozilla e gerenciadores de banco de dadosetc…

Vários desses programas, gratuitos ou ad-wares são comentados aqui. (Na página que se abrir procure o programa desejado).

- específica: destinam-se exclusivamente a uma única finalidade. Exemplos: folhas de pagamento, crediário, imposto de renda, cadastro, contas a pagar e receber, etc.

PlugIns e AddOns

Os plugIns são programas que funcionam anexados a outros programas. Suas características tornam possível visualizar vários tipos de arquivos (geralmente de multimídia como os formatos de vídeo: Avi, Mov, Mpeg, Flash, de som: mp3, midi, apresentações multimedia).

São muito comuns aqueles que são anexados aos navegadores (como o Firefox, suíte Mozilla, Netscape, Internet Explorer, Opera etc). Aliás alguns plugIns já vêm incorporados com o navegador.

Assim, quando se acessa um endereço da Internet (htttp://…) e não é possível visualizar ou escutar alguns dos ítems ali expostos, certamente, está faltando instalar algum plugin, para visualizar corretamente o conteúdo da página.

Eis alguns plugIns muito usados e suas funções:

Plugins Permite:
Adobe Acrobat Reader
( sugestão se substituição: Foxit )
visualização de arquivos PDF (Portable Document Format).
Crescendo inserção de arquivos MIDI em páginas, na Internet.
Macromedia Flash visualização de páginas feitas parcialmente ou inteiramente em Flash.
QuickTime, Quick Time Alternativo visualização de vídeos em vários formatos, inclusive o mov.
Real Player Alternativo execução de sons e vídeos em tempo real.

Exemplo: “Streaming” é uma tecnologia que possibilita a compressão de arquivos de vídeo ou de áudio, de modo que eles possam ser visualizados ou ouvidos enquanto vão sendo copiados, não necessitando que o download do arquivo se complete para iniciar a sua execução. Os Plug-ins necessários podem ser o Real Player, o VivoActive, o VDO Live, o Crescendo, etc.

Um AddOn é um programa que adiciona novas funções a um navegador.

Exemplo: o navegador Firefox admite várias extensões (pequenos programas que lhe dão mais recursos).

Atualização automática

Evidentemente a Internet tornou-se o meio mais eficiente e rápido para efetuar atualizações de versões de qualquer documento eletrônico baseado em arquivos, como sistema operacional, antivírus, navegador, textos, planilhas, apresentações etc…

Devido à necessidade de manter esses arquivos sempre atualizados, surgiram ferramentas que fazem a atualização (update) de modo automático e frequente, facilitando a vida do usuário, que não precisa se lembrar de fazê-las e nem de comandar o processo.

Assim, a atualização automática é feita por um programa instalado no computador do usuário, que deve estar conectado à Internet para que esse software possa conectar-se a um servidor que contenha um repositório dos novos arquivos.

Entretanto, a atualização de arquivos é uma tarefa que exige um controle de versões, pois nada pode ser atualizado com versões anteriores ou incompatíveis. Um outro problema é a segurança, pois esses arquivos podem percorrer grandes distâncias e ficar vulneráveis a ataques de vírus, que podem alterá-los para propagar programas mal intencionados.

Programas como o Mozilla Firefox, e suas extensões, o Mozilla Thunderbird, o BrOffice.org, já trazem recursos de atualização automática.

Spyware

Muitos proprietários dos direitos de programas inserem “banners” comerciais para ganhar dinheiro com a publicidade. Eles podem disparar uma série de pop-ups e mensagens indesejadas, deixando a máquina cada vez mais lenta. Assim, Adware(“Advertising Supported Software”) é uma aplicação que submete o usuário à publicidade não solicitada.

Também podem fazer surgir barras no navegador sem sua autorização, páginas de busca que você não escolheu, janelas de sites que abrem sozinhas, alterar a página inicial do navegador, e causar lentidão e/ou travamento do navegador.

Nesses programas, que exibem propagandas nas telas dos computadores, é comum que banners clicáveis fiquem piscando até que se compre algo. Ao clicar um deles, o usuário é levado para uma certa oferta e pode ou não comprar algum produto ou serviço. Para efetivar a compra, deverá informar seu nome, endereço, telefone, e-mail e/ou outros dados pessoais.

Spyware é um programa que recolhe essas informações sobre o usuário, sobre seus costumes na Internet e transmite esta informação a uma terceira pessoa, ou empresa que as comercializam, sem o conhecimento e autorização da primeira.

Isso ocorre com frequência. Apesar de ser uma prática extremamente anti-ética, é considerada legal.

Outra preocupação é que muitos vírus transportam spywares, que objetivam roubar certos dados confidenciais dos usuários. Podem roubar logins bancários, montar e enviar históricos sobre as atividades do usuário, roubar certos arquivos ou outros documentos pessoais.

Assim, em muitos programas freewares e sharewares são embutidos, além dos banners pulicitários, programinhas que se encarregam de coletar e enviar as informações desejadas a terceiros. Note-se que um Adware pode se constituir em umSpyware, pois, por exemplo, falsários utilizam tais programas para roubar senhas e dados pessoais.

Aureate, TimeSink, Comet Cursor, Cydoor, Web3000 e outros são exemplos desses aplicativos “phone home”, programas que depois de instalados, se conectam à alguém ou à empresa que os criou, invadindo a privacidade do usuário.

Note-se que adwares nem sempre são necessariamente maliciosos. Mas o seu funcionamento é o principal problema. Por exemplo:

- Vários usam nomes aleatórios para dificultar sua remoção.

- Outros não incluem uma entrada funcional no “Adicionar/Remover Programas” do painel de controle do Windows, o que faz com que sua identificação seja difícil e a sua remoção complicada.

Mas, ao contrário dos spywares, adwares não possuem qualquer uso a não ser suportar os programas instalados no computador.

Assim, spyware é o nome de programas de computador que recolhem informação pessoal do internauta sem o seu consentimento. O software se auto-instala sem aviso prévio, portanto, sem que o usuário sequer saiba que será instalado em sua máquina. Depois, se auto executa sempre que o usuário se conecta à web, monitorando, capturando e enviando dados sobre os hábitos de navegação para terceiros, ou seja, para servidores onde os dados são armazenados para fins criminosos ou comerciais, sem autorização.

Mesmo se tiver apenas objetivos comerciais ou publicitários o spyware é maléfico: quando as informações são utilizadas para esses fins, o volume de e-mails recebidos em forma de spam (envio de informações não solicitadas) cresce vertiginosamente.

Os “spywares” chegam ao computador por meio de vírus, ou de arquivos contidos em e-mail ou por download de jogos e de outros programas como GetRight, Gozilla, KaZaa, Grokster. É imporante notar que se o spyware for removido alguns desses programas podem não funcionar mais.

Há outro problema: esse tipo de programa pode deixar o computador mais lento, travar sistemas e lotar a tela com propaganda indesejada.

Programas como o Spybot e o Adware auxiliam na remoção de spywares.

Se o site está te ajudando a atingir seus objetivos, que tal também me ajudar a levar  informação de qualidade para todos. Clique aí no banner abaixo, é muito simples.


About these ads

From → estudos, Informática

Um Comentário
  1. Muito bom mesmo, estou estudando diariamente por este site, vlw!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.476 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: