Formação de plural

Padrão

Formação de Plural

REGRAS BÁSICAS

Em substantivos simples, acrescenta-se a desinência “-s” aos substantivos terminados em vogal, ditongo oral ou ditongo nasal “ãe”: casa/casas, peru/perus, pai/pais, lei/leis, herói/heróis, réu/réus, troféu/troféus, fogaréu/fogaréus, degrau/degraus, grau/graus, sarau/saraus, bacalhau/ bacalhaus, maçã/maçãs, mãe/mães…

Observação :

Atente para as formas “avôs” (o avô materno e o paterno) e “avós” (casal formado por avô e avó, ou plural de avó; também indica os antepassados de um modo geral).
A maioria dos substantivos terminados em “-ão” forma o plural substituindo essa terminação por “-ões” (incluem-se nesse grupo os aumentativos): balão/balões, eleição/eleições, leão/leões, sabichão/sabichões, coração/corações, vozeirão/vozeirões…

Os paroxítonos terminados em “-ão” e alguns poucos oxítonos e monossílabos formam o plural pelo simples acréscimo de “s”: sótão/sótãos, cidadão/cidadãos, chão/chãos, bênção/bênçãos, cristão/cristãos, grão/grãos, órfão/órfãos, irmão/irmãos, mão/mãos…

Alguns substantivos terminados em “-ão” formam o plural substituindo essa terminação por “-ães”: alemão/alemães, capitão/capitães, pão/pães, cão/cães, charlatão/charlatâes, sacristão/sacristães, capelão/capelães, escrivão/escrivães, tabelião/tabeliães…

Em alguns casos, há mais do que uma forma aceitável para esses plurais. A tendência da língua portuguesa atual do Brasil é utilizar a forma de plural em “-ões”:

guardião – guardiões, guardiães;
verão – verões, verãos;
anão – anões, anãos;
cirurgião – cirurgiões, cirurgiães;
corrimão – corrimões, corrimãos;
vilão – vilões, vilãos;
ancião – anciões, anciães, anciãos;
ermitão – ermitões, ermitães, ermitãos;

zangão (substantivo masculino de abelha) zangãos, zangões; que pode ser
pronunciada também de duas maneiras: zangão ou zângão (acento colocado
para mostrar a pronúncia).

Observação:

ARTESÃOS/ARTESÕES

Quando se refere ao indivíduo que tem por ofício as artes que dependem de habilidade manual, o feminino é “artesã”, e o plural é “artesãos”. No entanto, a palavra “artesão” também se usa em arquitetura, com o sentido de “adorno que se coloca entre molduras em abóbadas e tetos”. Neste caso, o plural é “artesões”. Disso se conclui que é possível dizer que “os artesões de determinada igreja foram produzidos por famosos artesãos”.
Acrescenta-se a desinência “-s” aos substantivos terminados em “-m”. Essa letra é substituida por “-n” na forma do plural: homem/homens, jardim/jardins, som/sons, atum/atuns…

Os substantivos terminados em “-r” e “-z” formam o plural com o acréscimo de “-es”: mar/mares, açúcar/açúcares, hambúrguer/hambúrgueres, flor/flores, repórter/repórteres, revólver/revólveres; raiz/raízes, rapaz/rapazes, cruz/cruzes…

Observação:

No caso do plural das palavras “júnior”, “sênior” e “caráter”, além de acrescentar “es”, devemos observar a mudança da posição da sílaba tônica: “juni ô res”, “seni ô res”, “carac té res” (devemos escrever essas palavras sem acento, mas pronunciar com a sílaba tônica nas vogais aqui acentuadas.).
Os substantivos terminados em “-s” formam o plural com acréscimo de “-es”; quando paroxítonos ou proparoxítonos, são invariáveis – o que faz com que a indicação de número passe a depender de um artigo ou outro determinante: gás/gases, obus/obuses, um lápis/dois lápis, mês/meses, o atlas/os atlas, algum ônibus/vários ônibus, país/países, o pires/os pires, o vírus/os vírus…
Os substantivos terminados em “-al, -el, -ol e -ul” formam o plural pela transformação do “-l” dessas terminações em “-is”: animal/animais, canal/canais, vogal/vogais, igual/iguais, anel/anéis, pastel/pastéis, álcool/álcoois, anzol/anzóis…

Observação:

O plural de “mal” (males) e de “cônsul” (cônsules) é uma exceção à regra das palavras terminadas em “l”. Já “mel” admite dois plurais: “meles” ou “méis”. Os dicionários e as gramáticas afirmam que “gol” também admite dois plurais: “gois” (com o “o” fechado, como o de bois) e “goles” (com o “o” também fechado); exemplo: Ronaldinho fez três goles (ou gois) numa só partida. No entanto, a forma irregular “gols” é a que tem predominado na imprensa em geral.
Os substantivos oxítonos terminados em “-il” trocam o “-l” pelo “-s”; os paroxítonos trocam essa terminação por “-eis”: barril/barris, ardil/ardis, funil/funis, fuzil/fuzis, fóssil/fósseis, projétil/projéteis, réptil/répteis…

Além das formas paroxitonas apresentadas acima, existem as formas oxitonas “projetil” e “reptil”, que fazem os plurais “projetis” e “reptis”, oxítonos.
Os substantivos terminados em “-n” formam o plural pelo acréscimo de “-s” ou “-es”: abdômen/abdomens ou abdômenes, gérmen/germens ou gérmenes, hífen/hifens ou hífenes, líquen/liquens ou líquenes…

No português do Brasil, há acentuada tendência para o uso das formas obtidas pelo acréscimo de “-s”. Observe que, quando paroxítonas, essas formas de plural não recebem acento gráfico.

Destaque-se cânon, cujo plural é a forma cânones.
Os substantivos terminados em “-x” são invariáveis; a indicação de número depende da concordância com algum determinante: o tórax/os tórax, um climax/alguns climax, uma (ou um) xerox/duas (ou dois) xerox…

Existem alguns substantivos terminados em “-x” que apresentam formas variantes terminadas em “-ce”; nesses casos, deve-se utilizar a forma plural da variante: o cálix ou cálice/ os cálices, o códex ou códice/ os códices…
Os diminutivos com o sufixo “-zinho” (e mais raramente “-zito”) fazem o plural da seguinte forma: o plural da palavra original sem o “s” + o plural do sufixo (-zinhos ou -zitos).

Exemplos:

botão + zinho (botõe + zinhos = botõezinhos)
balão + zinho (balõe + zinhos = balõezinhos)
pão + zinho (pãe + zinhos = pãezinhos)
papel + zinho (papei + zinhos = papeizinhos)
anzol + zinho (anzoi + zinhos = anzoizinhos)
colar + zinho (colare + zinhos = colarezinhos)
flor + zinha (flore + zinhas = florezinhas)

Observações:

No caso de diminutivos formados a partir de substantivos terminados em “-r”, existe acentuada tendência na língua atual do Brasil para limitar-se o plural à terminação da forma derivada: colarzinho/colarzinhos, florzinha/florzinhas, mulherzinha/mulherzinhas. Essa forma de plural, no entanto, é repudiada pela norma culta.

No caso das palavras luzinha e cruzinha, o sufixo para o diminutivo é “inho” (a letra “z” pertence à raiz da palavra). Não se aplica, portanto, a regra acima. Basta pôr a desinência “s”: luzinhas e cruzinhas.


METAFONIA

Existem muitos substantivos cuja formação do plural não se manifesta apenas por meio de modificações morfológicas, mas também implica alteração fonológica. Nesses casos, ocorre um fenômeno chamado metafonia, ou seja, a mudança de som entre uma forma e outra. Trata-se da alternância do timbre da vogal, que é fechado na forma do singular e aberto na forma do plural. Observe os pares abaixo:

singular (ô) – plural (ó)

aposto apostos
caroço caroços
corno cornos
corpo corpos
corvo corvos
esforço esforços
fogo fogos
imposto impostos
miolo miolos
osso ossos
poço poços
porto portos
povo povos
socorro socorros
forno fornos
jogo jogos
olho olhos
ovo ovos
porco porcos
posto postos
reforço reforços
tijolo tijolos

É importante que você atente na pronúncia culta desses plurais quando estiver utilizando a língua falada em situações formais.


PLURAL DE PALAVRAS COMPOSTAS

A formação do plural dos substantivos compostos depende da forma como são grafados, do tipo de palavras que formam o composto e da relação que estabelecem entre si. Aqueles que são grafados ligadamente (sem hífen) Comportam-se como os substantivos simples: aguardente/aguardentes, girassol/girassóis, pontapé/pontapés…

Nesse sentido, para fazer o plural de uma palavra composta, é preciso antes verificar em que classe gramatical ela se encaixa. Basicamente, uma palavra composta pode ser um substantivo ou um adjetivo. No caso de “pombo-correio”, por exemplo, temos um substantivo composto. Afinal, “pombo-correio” é nome de algo. Se é nome, é substantivo.

O segundo passo é verificar a classe gramatical de cada elemento formador da palavra composta. No caso de “pombo-correio”, tanto “pombo” quanto “correio” são substantivos. Dizem as gramáticas que, quando o segundo substantivo indica idéia de semelhança ou finalidade em relação ao primeiro, há duas possibilidades de plural: variam os dois ou varia só o primeiro. “Pombo-correio” se encaixa nesse caso. Um pombo-correio nada mais é do que “variedade de pombo que se utiliza para levar comunicações e correspondência”, como diz o próprio Aurélio. O segundo substantivo (“correio”) indica finalidade em relação ao primeiro (“pombo”). Deduz-se, pois, que o plural de “pombo-correio” pode ser “pombos-correio” ou “pombos-correios”.

Vejamos outros exemplos de substantivos compostos que se encaixam nesse caso: “carro-bomba”, “homem-bomba”, “público-alvo”, “samba-enredo”, “caminhão-tanque”, “navio-escola”, “couve-flor”, “banana-maçã”, “saia-balão” e tantos outros de estrutura semelhante (dois substantivos, com o segundo indicando semelhança ou finalidade em relação ao primeiro). Um carro-bomba, por exemplo, é um carro feito com a finalidade específica de explodir; assim como um homem-bomba é um indivíduo (normalmente um terrorista) que amarra explosivos em seu corpo com o mesmo fim. Um público-alvo é uma determinada parcela da população. Um samba-enredo é um samba feito para contar o enredo do desfile de uma escola. Uma couve-flor é uma couve semelhante a uma flor. A saia-balão é uma saia que lembra um balão. E por aí vai.

Sendo assim, o plural de cada um desses substantivos compostos apresenta-se desta maneira:

“carros-bomba” ou “carros-bombas”, “homens-bomba” ou “homens-bombas”, “públicos-alvo” ou “públicos-alvos”, “sambas-enredo” ou “sambas-enredos”, “caminhões-tanque” ou “caminhões-tanques”, “navios-escola” ou “navios-escolas”, “couves-flor” ou “couves-flores”, “bananas-maçã” ou “bananas-maçãs”, “saias-balão” ou “saias-balões”.

Convém aproveitar a ocasião para lembrar que, quando o segundo substantivo não indica semelhança ou finalidade em relação ao primeiro, só há uma possibilidade de plural: flexionam-se os dois elementos. É o que ocorre com “cirurgião-dentista”, “tio-avô”, “tia-avó”, “tenente-coronel”, “bicho-papão”, “rainha-mãe”, “decreto-lei” e tantos outros. Vamos ao plural: “cirurgiões-dentistas” (ou “cirurgiães-dentistas”), “tios-avôs” (ou “tios-avós”), “tias-avós”, “tenentes-coronéis”, “bichos-papões”, “rainhas-mães”, “decretos-leis”.

Vejamos agora o caso de “cavalo-marinho”. Trata-se de substantivo composto formado por um substantivo (“cavalo”) e um adjetivo (“marinho”). Aqui não há segredo: variam os dois elementos. O plural, então, só pode ser “cavalos-marinhos”.

Esse princípio pode ser aplicado em relação a todos os substantivos compostos formados por duas palavras, das quais uma seja substantivo e a outra, um adjetivo ou numeral. Encaixam-se nesse caso muitas e muitas palavras. Veja algumas: obra-prima, primeira-dama, queixo-duro, primeiro-ministro, amor-perfeito, capitão-mor, cachorro-quente, boa-vida, curta-metragem, quarta-feira, sexta-feira, bóia-fria. O plural de todos esses compostos é feito com a flexão dos dois elementos: obras-primas, primeiras-damas, queixos-duros, primeiros-ministros, amores-perfeitos, capitães-mores, cachorros-quentes, boas-vidas, curtas-metragens, quartas-feiras, sextas-feiras, bóias-frias.

Tome cuidado com o caso de compostos em que entram “grão” e “grã”, como “grão-duque”, “grã-fina”, “grã-fino”, “grã-cruz”. Só varia o segundo elemento: “grão-duques”, “grã-finas”, “grã-finos”, “grã-cruzes”. Merece destaque “terra-nova” (tipo de cão), que, segundo alguns autores, faz plural excepcional: “terra-novas”. Para outros, no entanto, também é possível o plural regular: “terras-novas”.
Quando o substantivo composto é formado por três elementos, dos quais o segundo seja uma preposição, só se faz a flexão do primeiro. É esse o caso de mulas-sem-cabeça, pães-de-ló, quedas-d’água, pés-de-moleque, amigos-da-onça, bicos-de-papagaio, dores-de-cotovelo, estrelas-do-mar, generais-de-divisão, grãos-de-bico, joões-de-barro, pais-de-santo, pés-de-cabra, pores-do-sol…

Observação : os fora-da-lei , os fora-de-série …são invariáveis .

Talvez esteja aí a explicação para o plural de “sem-terra” adotado por todos os órgãos da imprensa: “Sem-terra”. Por quê? Porque se supõe que haja uma palavra implícita. Algo como “homem sem terra”, que não é propriamente uma palavra composta, mas tem estrutura semelhante: dois substantivos (“homem” e “terra”), ligados por uma preposição (“sem”). O plural dessa expressão seria “homens sem terra”, que acaba sendo reduzida para “sem-terra”, com hífen, justamente porque nomeia uma categoria específica de pessoas.

O caso de “sem-vergonha” é semelhante. Algo como “pessoa sem vergonha” acaba se transformando em “sem-vergonha”, com hífen. Segundo o dicionário “Aurélio” e muitos gramáticos, o plural é “sem-vergonha” mesmo. Alguns discordam e propõem “os sem-vergonhas” e “os sem-terras”. O argumento é que se deve proceder com “sem-terra” como se procede com “contra-ataque”, cujo plural é “contra-ataques”. Ocorre que esse “contra” não é a preposição, mas o elemento de composição, ou prefixo, como o define Caldas Aulete. Os casos de “contra-ataque” e de “sem-terra”, na verdade, são distintos.
Se a palavra composta for constituída de um verbo e um substantivo, somente o substantivo irá para o plural: arranha-céus, bate-papos, bate-bocas, bate-bolas, caça-talentos, guarda-chuvas, lança-perfumes, lava-pés, mata-borrões, pára-brisas, pára-choques, pára-lamas, porta-bandeiras, porta-vozes, quebra-cabeças, quebra-molas, salva-vidas, vira-latas…

Observação :

Em guarda-civil , guarda é substantivo e civil é adjetivo. Os dois vão para o plural: guardas-civis , guardas-noturnos, guardas-florestais…

Já em guarda-chuva , guarda é verbo e chuva é substantivo. Só o substantivo vai para o plural: guarda-chuvas , guarda-sóis, guarda-louças, guarda-roupas, guarda-costas…
Se a palavra composta for constituída de dois ou mais adjetivos, somente o último adjetivo irá para o plural: consultórios médico-cirúrgicos ; candidatos social-democratas ; atividades técnico-científicas ; problemas político-econômicos ; questões luso-brasileiras ; camisas rubro-negras ; cabelos castanho-escuros ; olhos verde-claros …

Observação :

Os adjetivos compostos referentes a cores são invariáveis quando o segundo elemento é um substantivo: verde-garrafa, verde-mar, verde-musgo, verde-oliva, azul-céu, azul-piscina, amarelo-ouro, rosa-choque, vermelho-sangue…

Compare:

Olhos verde-claros = cor + adjetivo (claro ou escuro)

Calças verde-garrafa = cor + substantivo

Também são invariáveis: azul-celeste e azul-marinho .
Se o primeiro elemento for advérbio, preposição ou prefixo, somente o segundo elemento irá para o plural: abaixo-assinados, alto-falantes, ante-salas, anti-semitas, auto-retratos, bel-prazeres, contra-ataques, recém-nascidos, super-homens, todo-poderosos, vice-campeões…
Se a palavra composta for constituída por advérbio + pronome + verbo, somente o último elemento varia: bem-me-queres, bem-te-vis, não-me-toques…
Se a palavra composta for constituída pela repetição das palavras (onomatopéias = reprodução dos sons), o segundo elemento irá para o plural: bangue-bangues, pingue-pongues, reco-recos, teco-tecos, tique-taques, zigue-zagues…

Casos especiais:

Os arco-íris, as ave-marias, os banhos-maria, os joões-ninguém, os louva-a-deus, os lugar-tenentes, os mapas-múndi, os padre-nossos, as salve-rainhas, os surdos-mudos…

São invariáveis :

– compostos de verbo + palavra invariável: os bota-fora, os cola-tudo, os topa-tudo…

– compostos de verbos de sentido oposto: os entre-e-sai, os leva-e-traz, os perde-ganha, os sobe-e-desce, os vai-volta…

– expressões substantivadas: os bumba-meu-boi, os chove-não-molha, os disse-me-disse…


Os estudiosos das coisas indígenas afirmam que os nomes das nações indígenas não apresentam plural na sua forma original. Deveríamos dizer os tupi, os goitacá, os pataxó, os caeté.

Há, entretanto, aqueles que defendem o aportuguesamento e conseqüente respeito às nossas regras gramaticais.



CASOS ESPECIAIS
EXTRA

A forma reduzida “extra” vem do adjetivo “extraordinário”. Como “extra” significa “fora de”, “extraordinário” significa “fora do ordinário”, ou seja, fora do que é comum, normal, ordinário. Por ser grande, a palavra “extraordinário” não fugiu de um processo lingüístico implacável: a redução. Com isso, o prefixo passou a ter também o sentido do adjetivo. Nesse caso, sua flexão é normal, como a de um adjetivo qualquer: “hora extra”, “horas extras”.

Em tempo: quando usado como prefixo, nada de flexioná-lo. O plural de “extra-oficial” é “extra-oficiais”; o de “extra-sístole” é “extra-sístoles”.


SIGLAS

Embora não existam regras rígidas para o plural de siglas, é usual e perfeitamente aceitável o uso do “s”: CDs, CEPs, IPVAs, IPTUs, Ufirs…

Cuidado, porém, quanto ao mau uso do apóstrofo. O apóstrofo, em português, é para indicar a omissão de fonema/letra: copo de água = copo d’água; galinha de Angola = galinha d’angola. Não se justifica, portanto, o uso do apóstrofo para indicar o acréscimo da desinência “s” para indicar o plural.


REVÉS

“Reveses”, com “s”, é o plural de “revés”, sinônimo de “insucesso”, “derrota”. Já “revezes” é a forma da segunda pessoa do singular do presente do subjuntivo do verbo “revezar”, que se escreve com “z” porque é da mesma família de “vez”. “Revezar” é produto de “re + vez + ar” e significa “substituir alternadamente”: “Quero que tu te revezes com o Fernando na prova de natação.”


AS CORES LILÁS E GRIS

Apesar da palavra “lilás” ser um substantivo (uma flor), ela empresta a tonalidade de sua cor para virar adjetivo que, pela regra geral, não iria para o plural, como em certos adjetivos compostos, onde o segundo elemento é um substantivo: “calças azul piscina”, ” vestidos amarelo- -limão”. No entanto, muitos dicionários dão como plural de lilás a forma “lilases”. O mais interessante é que lilás pode ser também o plural de “lilá”. Assim, podemos ter as seguintes combinações: no singular, “camisa lilá”, “camisa lilás”; e no plural, “camisas lilás” e “camisas lilases”.

Assim também acontece com “gris” que, a princípio, é um animal (substantivo) que empresta a tonalidade da cor de seu pêlo (azul-acinzentado) para se tornar um adjetivo. Dessa forma, gris pode ser singular ou plural, tendo também a forma “grisses” como um segundo plural. Exemplo: “…e tudo nascerá mais belo, o verde faz do azul com o amarelo o elo com todas as cores para enfeitar amores gris (ou grises)” – verso da música NENHUM DIA, de Dijavan.


ESPÉCIMEN

Além do plural “espécimens”, a palavra espécimen possui a forma “especímenes”.

Cuidado, entretanto, com a pronúncia dessas palavras. São todas proparoxítonas (a sílaba tônica é a antepenúltima) e conseqüentemente acentuadas, o que certamente ajuda a pronunciá-las corretamente.

Esta matéria foi retirada do site gramatica.xpg

Se o site está te ajudando a atingir seus objetivos, que tal também nos ajudar a levar informação de qualidade para todos. Clique aí no banner abaixo, é muito simples.

Sobre Eder Sabino Carlos

Sou formado em Ciências Econômicas e desenvolvi este site para democratizar materiais de estudos de qualidade para concursos públicos e Enem. Hoje sou representante de vendas na área de material de construçãoa na cidade de Vila Velha ES. Gosto de ler livros de aventura e tenho um livro publicado em e-book com o título de A Fortaleza do Centro. Um livro de aventura infanto-juvenil, mas adultos também estão gostando. Você pode baixar o livro no site e aproveite e veja os comentários das pessoas que já o leram.

»

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s