Kalena – A fortaleza do centro

Padrão

capa livro kalenaOi pessoal finalmente terminei o meu primeiro livro.

Você deve estar se perguntando: Terminou? como? se estava disponível em download no site?

Espera……vou explicar.

Tinha colocado uma versão do livro para sentir a receptividade dele, mas não havia feito uma revisão ortográfica e nem uma orientação de texto, mas apesar disto tive muitos comentários positivos como os dois abaixo:

Jorge Lucas em 18/06/2015 às 1:39 disse:

Bom, primeiro gostaria de dizer obrigado!! a 3 anos atrás queria ler um livro pois não tinha este costume e procurava um livro que de certo modo me prenderia a literatura, e hoje após ler seu livro já tenho uma pequena coleção de livro, achei uma leitura fascinante e estou até hoje a espera da continuação. Estou grato por seu livro ter revelado um mundo fascinante que existe dentro dos livros e gostaria de agradecer a você por este primeiro contato tão prazeroso aos livros.

Bruna Malheiros em 03/01/2012 às 23:01 disse:

Parabéns Eder! Seu livro é extremamente interessante e mágico.
Virei a madrugada lendo e isso acontece somente quando o livro é empolgante. Aqui em casa me chamam de devoradora de livros, não preciso nem dizer o porquê. Mas enfim, para aqueles que não tiveram o prazer de ler esta história contagiante, meus queridos…o façam logo!
Um abraço …
E até a próxima!

Então segui em frente e fiz a revisão ortográfica e mudei algumas coisas para a história fluir melhor.

Calma……mudei só um pouquinho.

Veja abaixo o book trailer:

Ficou legal né?
curtir-face

Bom, montei um projeto no Catarse para arrecadar dinheiro para conseguir publicá-lo e se você quiser ajudar estou dando várias recompensas legais além do e-book, veja abaixo:

recompensas

 

Para ver o projeto e saber como ganhar estes prêmios maravilhosos é só clicar no link abaixo:

PREPARE-SE……A AVENTURA VAI COMEÇAR!

Epa! quer mais informações sobre o livro? beleza leia a sinopse abaixo:

Haddock, Athos e Frigg são três jovens amigos que vivem em uma grande cidade cercada por uma enorme fortaleza onde existe uma lei que ninguém ousa desafiar: “É proibido qualquer habitante de sair dos domínios da Fortaleza do Centro”.

Ninguém nunca questionou esta proibição por que todos cresceram ouvindo estórias de que fora dela existem lugares apavorantes habitados por seres estranhos como os Nomacks, seres alados que capturam habitantes em noites de escuridão total.

É semana de festas e pela primeira vez em séculos todos os Senhores de Reino irão se reunir, mas a população não sabe, mas uma reunião secreta entre eles havia sido planejado há mil anos para acabar com o mal em definitivo, mas algo de inesperado acontece forçando Haddock, Athos e Frigg a fugir da Fortaleza e começar uma aventura inimaginável em um mundo desconhecido repleto de magia e perigo.

E agora tá mais seguro??

curtir-face

Então de novo:

PREPARE-SE……A AVENTURA VAI COMEÇAR!

No vídeo abaixo eu falo sobre o projeto, mas se você já está com muita vontade de ir ver como ganhar as recompensas, este vídeo tá lá também

Acabei dando umas gaguejadas, mas dá um desconto é meu primeiro vídeo, ….mas pensando melhor eu acho que vou mandar para a Globo e me tornar o novo fenômeno da TV brasileira….. agora viajei legal.

Falando sério agora, o livro é muito bom, vocês vão adorar………esqueceu o link? tá ai de novo

PREPARE-SE……A AVENTURA VAI COMEÇAR!

curtir-face

Abraços

Receitas das contribuições sociais: Do produtor rural

Padrão

Receitas das contribuições sociais: do produtor rural

O produtor rural pessoa jurídica continua obrigado a arrecadar e recolhe ao INSS a contribuição do segurado EMPREGADO e do TRABALHADOR AVULSO a seu serviço. Descontando-se da respectiva remuneração, nos mesmos prazos e segundo as mesmas normas aplicadas às empresas em geral.

Contribuição básica: 2,5% sobre o total da receita bruta proveniente da comercialização do produto rural.

Contribuição adicional: 0,1% incidente sobre a mesma receita bruta destinada ao financiamento da aposentadoria especial e dos benefícios acidentários. As referidas normas não se aplicam as operações relativas à prestação de serviços a terceiros – cujas contribuições previdenciárias obedecem às regras impostas às empresas em geral.

Fonte: retirado de uma apostila desenvolvida por Resumos concursos disponibilizada na internet

 

 

Receitas das contribuições sociais: Do empregador doméstico

Padrão

Receitas das contribuições sociais: Do empregador doméstico

A partir da vigência da Lei nº 7.787/89 a contribuição do empregador doméstico passou a ser de 12%. O art. 24 da Lei nº 8.212 repetiu a referida situação, informando que a alíquota do empregador doméstico seria de 12% do saláriode-contribuição do empregado doméstico a seu serviço.

O art. 34 do Decreto nº 612 determina que deve ser observado o limite máximo de contribuição. Assim, se o doméstico perceber salário superior ao do limite máximo, o percentual do empregador será de 12% sobre o limite máximo. O empregador doméstico não paga a contribuição de custeio de acidente de trabalho.

Fonte: Apostila disponibilizada na internet por Didatika concursos.

Receitas das contribuições sociais: das empresas

Padrão

Receitas das contribuições sociais: das empresas

A empresa contribui com 20% sobre o total das remunerações pagas ou creditadas, a qualquer título, no decorrer do mês, aos segurados empregados, trabalhadores avulsos, que lhe prestam serviços.

Considera-se remuneração a importância recebida pelo segurado a qualquer título, inclusive os ganhos habituais sob a forma de utilidades (alimentação, habitação etc.), com exceção dos valores que não integrem o salário de contribuição, e o lucro distribuído ao segurado empresário, quando não houver discriminação entre a remuneração decorrente do trabalho e a proveniente do capital social.

Integra a remuneração a bolsa de estudos paga ou creditada ao médico residente. A remuneração paga ou creditada a transportador autônomo pelo frete, carreto ou transporte de passageiros realizado por sua conta própria corresponderá ao valor resultante da aplicação de um dos percentuais estabelecidos pelo MPS sobre o valor bruto do frete, carreto ou transporte de passageiros, para determinação do valor mínimo da remuneração. O referido percentual foi definido provisoriamente pelo art.169 do Decreto nº 612 no valor de 11,71%.

As instituições financeiras, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros e de capitalização, agentes autônomos de seguros pagarão o adicional de 2,5% sobre as remunerações pagas ou creditadas aos segurados empregados, empresários, trabalhadores avulsos e autônomos que lhes prestem serviços. Sua contribuição será, portanto, de 22,5%.

FONTE: Apostila disponibilizada na internet pela Didatika concursos

 

Receitas das contribuições sociais: dos segurados

Padrão

 Receitas das contribuições sociais: dos segurados

Salário-de-contribuição é o valor que serve de base de incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias. Salário-de-contribuição é um dos elementos de cálculo da contribuição previdenciária; é a medida do valor com a qual, multiplicando-se a taxa de contribuição, obtém-se o valor da contribuição. Utiliza-se o salário-de-contribuição para o empregado urbano, rural, temporário, doméstico e para o trabalhador avulso etc

A denominação salário-de-contribuição não é adequada, pois certas pessoas efetivamente não têm um salário, como de certa forma o avulso e o autônomo, mas têm salário-de-contribuição. Na verdade, o salário-de-contribuição é a base de cálculo sobre a qual irão incidir as alíquotas da contribuição previdenciária. O conceito de salário-de-contribuição irá depender, porém, do segurado que irá contribuir para o sistema, podendo, portanto, ser distinto em relação a cada um deles.

Salário-base é uma espécie do gênero salário-de-contribuição, tendo um valor prefixado, em substituição à importância percebida pelo segurado, estabelecido segundo uma escala_ que anteriormente era em número de salários mínimos_ e classes, que vão sendo alteradas de acordo com o tempo de filiação do segurado ao Regime Geral de Previdência Social. É o salário que serve de base para o cálculo das contribuições previdenciárias do segurado trabalhador autônomo e equiparado, empresário e facultativo. O salário-base é, portanto, uma ficção legal, uma estimativa, não correspondendo exatamente à importância recebida mensalmente pelo segurado. Não se poderia, porém, falar em salário, pois autônomos e equiparados, empresários e segurado facultativo não têm relação de emprego.

FONTE: Apostila disponibilizada na internet pela didatika concursos

 

Receitas das contribuições sociais

Padrão

Receitas das contribuições sociais:

De acordo com o parágrafo único do art. 195 do RPS, constituem contribuições sociais:

I – as das empresas, incidentes sobre a remuneração paga, devida ou creditada aos segurados e demais pessoas físicas a seu serviço, mesmo sem vínculo empregatício;

II – as dos empregadores domésticos, incidentes sobre o salário-de-contribuição dos empregados domésticos a seu serviço;

III – as dos trabalhadores, incidentes sobre seu salário-de-contribuição;

IV – as das associações desportivas que mantêm equipe de futebol profissional, incidentes sobre a receita bruta decorrente dos espetáculos desportivos de que participem em todo território nacional em qualquer modalidade desportiva, inclusive jogos internacionais, e de qualquer forma de patrocínio, licenciamento de uso de marcas e símbolos, publicidade, propaganda e transmissão de espetáculos desportivos;

V – as incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural;

VI – as das empresas, incidentes sobre a receita ou o faturamento e o lucro; e

VII – as incidentes sobre a receita de concursos de prognósticos. Para fins didáticos, vamos separar as contribuições destinadas ao pagamento dos benefícios do RGPS (contribuições previdenciárias, descritas acima nos itens I a V) das demais contribuições para a Seguridade Social (descritas nos itens VI e VII).

Financiamento da Seguridade Social: Receitas da União

Padrão

Financiamento da Seguridade Social

No âmbito federal, o orçamento da seguridade social é composto das seguintes receitas: da União, das contribuições sociais e de outras fontes (Lei 8.212/91, art. 11).

As contribuições sociais destinadas à seguridade social são as seguintes:

a) as das empresas, incidentes sobre a remuneração paga ou creditada aos segurados a seu serviço;

b) as dos empregadores domésticos;

c) as dos trabalhadores, incidentes sobre o seu salário-de-contribuição;

d) as das empresas, incidentes sobre faturamento e lucro;

e) as incidentes sobre a receita de concursos de prognósticos;

f) as do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar (CF, art. 195, IV);

Os recursos provenientes das contribuições sociais previstas acima nas alíneas “a”, “b” e “c” só podem ser utilizados para pagamento dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social (CF, art. 167, XI). Por isso, podemos denominá-las de “contribuições previdenciárias”.

Os recursos provenientes das contribuições sociais descritas nos itens “d” a “f” podem ser aplicados em qualquer área da Seguridade Social (saúde, assistência social ou previdência social).

1. RECEITAS DA UNIÃO:

A contribuição da União é constituída de recursos adicionais do Orçamento Fiscal, fixados obrigatoriamente na Lei Orçamentária Anual (art. 16 da Lei 8.212/91).

A União é responsável pela cobertura de eventuais insuficiências financeiras da Seguridade Social, quando decorrentes do pagamento de benefícios de prestação continuada da previdência social, na forma da Lei Orçamentária Anual (Lei 8.212/91, art. 16, parágrafo único).

O Tesouro Nacional repassará mensalmente recursos referentes às contribuições incidentes sobre o faturamento e o lucro das empresas e sobre a receita de concursos de prognósticos, destinados à execução do Orçamento da Seguridade Social (Lei 8.21/91, art. 19).