Skip to content

Processos de tratamento de água

25/04/2011

Processos de tratamento de água

A água percorre as seguintes etapas, para chegar às casas: captação (coleta); adução (transporte); tratamento; armazenamento e distribuição.

O tratamento da água deve ser iniciado desde as nascentes, até as barragens, através da proteção aos mananciais. A poluição de sua água por detritos, impurezas, dejetos domésticos, agrícolas e industriais, deve ser controlada o melhor possível, através de análises de rotina – o alerta é dado quando é atingido um número superior a 1000 microorganismos/cm3. Neste caso a água deve ser desinfectada com um algicida, tipo sulfato de cobre ou hipoclorito de sódio, assim que chega à estação de tratamento.

Estação de tratamento de água
Estação de tratamento de água
clique para ampliar

A seguir, a água receberá os seguintes tratamentos:

ADIÇÃO DE COAGULANTES

São misturadas à água substâncias químicas (sulfato de alumínio , sulfato ferroso, etc) e auxiliares de coagulação (hidróxido de cálcio =cal , carbonato de sódio= barrilha, etc) que irão ajudar na remoção das impurezas.

COAGULAÇÃO E DECANTAÇÃO

A água é conduzida aos misturadores (tanto rápidos quanto os lentos), que ajudam na floculação. Esta consiste na formação de flocos coloidais de hidróxido de alumínio, resultantes da reação entre sulfato de alumínio e a cal. Depois dos misturadores, a água é conduzida aos tanques de decantação, onde permanecerá por três horas. Com este repouso prolongado, os flocos vão se depositando no fundo destes tanques, levando consigo grande parte das impurezas, removendo assim muitas substâncias e seres patogênicos maiores, responsáveis pela sua cor, odor e sabor – melhorando a qualidade química e sanitária da água.

Tanques de decantação (foto: João Aramis dos S. Gírio)
Tanques de decantação

FILTRAÇÃO

Ao sair do tanque de decantação, a água passa por um sistema de filtros, utilizado para remover as impurezas que não ficaram retidas no fundo dos decantadores. O tipo de filtro mais usado consiste em camadas de areia de diferentes diâmetros. Os filtros servem para reter as impurezas restantes, assim como bactérias e devem possuir dispositivos capazes de promover a lavagem da areia, quando ela fica muito suja. A filtração permite que a água se torne límpida, com sabor e odor mais agradáveis. Porém, não é suficiente para garantir a potabilidade da água, pois parte dos micróbios é capaz de ultrapassar as camadas de areia dos filtros. Desinfecção:O método mais utilizado é a adição de cloro , aplicado na forma de gás cloro ou em solução de hipoclorito, geralmente com uma concentração de 2 a 3 g/cm3, para se obter um residual médio de 1 g/m3 na rede de distribuição.

FLUORETAÇÃO

O flúor e seus sais, tem se revelado notável no fortalecimento da dentina, pois transforma a hidroxiapatita que ela contém, em flúorapatita, muito mais resistente a ação de microorganismos. Os produtos mais utilizados para a fluoretação são o fluorsilicato de sódio ou ácido fluorsilícico, aplicados na concentração de 0,7g/m3, aproximadamente..

Estações de tratamento de esgoto e águas residuais:

Estação de tratamento de esgoto (foto: João A. dos S. Gírio)
Estação de tratamento de esgoto

GRADEAMENTO

Os esgotos e águas residuais são forçados a passar através de grades metálicas, que retêm latas, papéis, plásticos e uma quantidade de objetos que, em seguida são transportados como lixo para aterros sanitários.

CAIXAS DE AREIA

Nestas, o material passa com velocidade reduzida, de modo a permitir que areia, terra e partículas minerais se precipitem, sem consumo de oxigênio. No sistema australiano, estes são profundos, principalmente no centro.

DECANTAÇÃO PRIMÁRIA

Em grandes tanques de decantação pela ação da gravidade, são sedimentadas matérias sólidas no fundo do recipiente, enquanto o líquido decantado escoa ou tranborda, lentamente. O material sedimentado no fundo é o lodo primário e o líquido que transborda contém somente compostos orgânicos e minerais em solução aquosa. O lodo formado é tratado em biodigestores anaeróbios.

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

A água que escoou ou transbordou, sofre ação de microorganismos fotossintetizantes, as algas. Um grande número de algas se desenvolve utilizando os nutrientes existentes e a luz solar. Os nutrientes resultam da própria decomposição dos compostos orgânicos, feita pelos decompositores que respiram o oxigênio produzido pelas algas. A lagoa tem que ser rasa, no máximo 2 m, a fim de garantir a penetração da luz solar, permitindo a fotossíntese.

LAGOA DE CAPTAÇÃO

Numa última lagoa, o processo continua, já com água de pureza aceitável, que depois é devolvida aos mananciais.

DESSALINIZAÇÃO DA ÁGUA DO MAR

Recebe também o nome de dessalgamento. É um processo utilizado para transforma a água do mar em água potável – sendo removidos apenas os sais em excesso. Os processos mais utilizados são:

EVAPORAÇÃO

Canaletas de alvenaria são recobertas por um telhado baixo, de vidro, com calhas coletoras comos as dos telhados de casas. Com a radiação solar, a água evapora. Ao subir, seus vapores se condensam na superfície enterna da cobertura de vidro, escorrendo para as calhas, escoando para recipientes apropriados.

OSMOSE REVERSA

Consiste em submeter a água salgada a altas pressões, por meio de membranas gelatinosas ou carvão ativo. A água pura atravessa este tipo de filtro, separando-se dos sais.

Fonte: http://www.soaresoliveira.br

PROCESSOS DE PURIFICAÇÃO DA ÁGUA

Muito se tem falado sôbre purificação de água. Frequentemente vemos na midia notícias sôbre má qualidade da água potável fornecida à população; os jornais estão fartos de anúncios de equipamentos que alegadamente purificam água. Mas o que é mesmo purificação? Como partir de uma água impura e chegar a uma água própria para consumo humano?

Filtração

É um processo pelo qual retiramos partículas suspensas (não dissolvidas) no meio aquoso. O exemplo mais simples de filtração é o nosso ato diário de coar um café pela manhã: ao despejar o resultado da infusão do pó de café num coador, seja ele de pano, de papel ou mesmo metálico, simplesmente separamos o pó de café indesejável da bebida. Veja que se adoçarmos o café com açúcar não poderemos mais separar o mesmo com filtração, porque o açúcar dissolveu-se na água e portanto não é mais separável por filtração.

A filtração retira a matéria suspensa na água, qualquer que seja sua origem. Ao percorrer as tubulações desde a estação de tratamento d’água até a torneira do consumidor, a água arrasta consigo partículas de ferrugem das tubulações e outros materiais que não tenha sido retidos no tratamento. Este material e mais a sujeira acumulada nas cisternas e caixas d’água podem ser retirados por um filtro na casa do consumidor, havendo vários tipos: cerâmicos, celulose, seixos e outros, que trabalham adequadamente.

Adsorção

Se as partículas presentes na água forem muito pequenas, então não poderão ser retidas pelos filtros, por menor que seja sua malha. Neste caso, recorre-se à adsorção, que consiste comumente no emprego de um “filtro” de carvão ativo, no qual ficam aderidas as micro partículas presentes na água. Por este processo, também empregado em residências, retira-se substâncias que conferem mau odor à água potável, como o excesso de cloro resultante do tratamento de água, e outras sustâncias indesejáveis. Periodicamente deve se trocar o elemento de carvão ativo, pois o mesmo fica saturado perdendo sua capacidade de retenção.

Esterilização

As bactérias e vírus porventura presentes na água não podem ser retiradas por nenhum dos dois processos acima descritos. Para eliminação desses agentes nocivos, o processo mais usado em grande e pequena escala é a cloração, que consiste na adição de hipoclorito de sódio na água, promovendo assim a oxidação (destruição) de toda e qualquer matéria orgânica existente, viva ou não. Domesticamente, pode se efetuar também com bons resultados a fervura da água.

Como em escala doméstica tanto a fervura da água como a cloração com pequenas doses de hipoclorito é algo incômoda, pois têm que ser realizadas constantemente, alguns equipamentos se propõe a eliminar germes de uma maneira contínua. Para isso se utilizam da propriedade de certos metais como o ouro e a prata de serem germicidas. Este conhecimento é antigo, e não outra era a finalidade de alguns copos terem uma fímbria dourada.

Talheres de prata eram também recomendados por suas propriedades bactericidas. Infelizmente o custo desses metais é proibitivo para a grande maioria da população. Os equipamentos hoje com caracteristicas bactericidas usam sais ou óxidos de prata ou mesmo prata metálica na forma coloidal. Entretanto para que a eficiência deste processo seja total, é necessário que toda a água que passe pelo aparelho fique em contato com o metal durante algum tempo, o que nem sempre pode ser assegurado.

Hoje existem no mercado aparelhos de luz ultravioleta, a qual tem comprovadas propriedades bactericidas. Adequadamentes utilizados, podem proporcionar a eliminação de até 99% dos germes presentes na água.

Dessalinização

Em muitos lugares do Brasil a carência de água potável é grande. Por isto perfuram-se poços, artesianos ou não, para suprimento de água. Entretanto em muitas regiões, particularmente na proximidade do mar, a água apresenta-se salobra, isto é, levemente salgada. Seu consumo contínuo é nocivo ou mesmo impossível. Para retirar o sal dissolvido nesta água, nenhum dos processos acima expostos funciona. O tratamento da água por filtração, carvão ativo, luz UV e outros pode produzir uma água de aparência cristalina, até isenta de germes, mas nada poderá retirar os sais nela dissolvidos, exceto a osmose reversa.

Água destilada ou desmineralizada: certos processos industriais ou de laboratório exigem o emprego de água com teor muito baixo de sais dissolvidos, praticamente zero. Em pequena escala, a destilação fornece água com estas características. Modernamente, os processos de troca iônica também são largamente utilizados para a produção de água desmineralizada. Entretanto a osmose reversa vem sendo empregada cada vez mais para a produção de água desmineralizada e ultrapura.

Outros contaminantes

Hoje é sabido que mesmo a água fornecida pelas empresas de saneamento pode não estar totalmente isenta da presença de certos contaminantes, tais como resíduos de pesticidas e resíduos industriais como metais pesados (chumbo, mercúrio, cádmio e outros). Estes resíduos podem adequadamente serem retirados da água por osmose reversa.

Temos portanto diversos processos de purificação de água, mas somente podemos retirar sais dissolvidos através de destilação, troca iônica ou osmose reversa. Este último está cada vez mais acessível a empresas, organizações e individuos.

Esta matéria foi retirada do site Portal São Francisco

Coloquei a matéria baixo que retirei do site Brasil Escola que completa o artigo acima.

Tratamento de água e doenças de veiculação hídrica


Água potável ao alcance de todos

A água é um fator importante para toda espécie de vida, e com o passar dos anos ela vem sendo ameaçada pela poluição. É interessante saber sobre o processo de potabilização, que se define como um conjunto de tratamentos físicos e químicos que a água destinada ao consumo humano deve passar.

1- Filtração: a água poluída é filtrada para a retirada de partículas grandes de sujeira e facilitar no tratamento posterior.

2- Floculação: a água então recebe duas substâncias: cal hidratada, que é responsável pela correção do pH, e sulfato de alumínio, que faz com que as partículas de sujeira se juntem, formando pequenos coágulos.

3- Decantação: após a floculação a água vai para a decantação, onde ficará parada para que os flocos mais pesados que a água se depositem no fundo.

4- Filtros de Carbono: nesta etapa, a água decantada, ou seja, já sem os flocos, passa por filtros formados por camadas de areia, de carbono e de turfa (material de origem orgânica, que se forma no estágio inicial do processo de transformação natural de restos de vegetais em carvão mineral).

5- Desinfecção: a água chegará neste processo praticamente limpa, mas não livre de microorganismos. Sendo assim, ela receberá o cloro que elimina os germes nocivos à saúde.


Etapas do tratamento de água

A água é essencial na vida do homem, mas ela precisa ser convenientemente tratada, porque a água sem tratamento quando ingerida pode ser responsável pela transmissão de muitas doenças como:
• amebíase;
• giardíase;
• gastroenterite;
• febres tifóide e paratifóide;
• hepatite infecciosa;
• cólera.

Estas são as chamadas doenças de veiculação hídrica. A água também pose estar ligada à transmissão de algumas verminoses como a teníase, a esquistossomose, ascardíase, ancilostomíase e oxiuríase.

Por Líria Alves
Graduada em Química
Equipe Brasil Escola

Se o site está te ajudando a atingir seus objetivos, que tal também me ajudar a levar  informação de qualidade para todos. Clique aí no banner abaixo, é muito simples.

About these ads
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.748 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: